O conservador Partido Popular (PP), de oposição, anunciou nesta sexta-feira, 8, que se vencer as eleições gerais do mês que vem na Espanha irá proibir o uso do véu islâmico pelas mulheres nas escolas públicas.

O partido, com fortes laços com a Igreja Católica, alegou ser contra símbolos que denotem discriminação contra a mulher ou sua submissão.

“Portanto, nosso princípio é que na Espanha o uso do véu de cabelo nas salas de aula seja evitado. Esse é o princípio que queremos colocar em nosso programa eleitoral”, disse o chefe de campanha do partido, Juan Costa, em entrevista coletiva.

Trata-se de mais uma proposta polêmica em uma campanha política que repentinamente passou a ser dominada por temas ligados a imigrantes. Até poucos dias, o debate era dominado por temas de cunho econômico. Esta semana, porém, o PP inesperadamente mudou o foco das discussões para a imigração.

Na quarta-feira, 6, o partido anunciou que, se vencer, fará com que os imigrantes assinem um documento que os obrigaria a aprender espanhol e a viver de acordo com os costumes sociais do país, entre outras exigências, em troca de receberem os mesmo direitos dos cidadãos espanhóis.

Grupos de defesa dos direitos humanos denunciaram a proposta como xenófoba e inconstitucional. O governo socialista observou que a proposta referente ao véu mostra o desprezo do PP pelos imigrantes. A Espanha tem uma comunidade islâmica de cerca de 1 milhão de pessoas. O país tem 45 milhões de habitantes.

A eleição geral será em 9 de março. O Partido Popular e o governista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) estão praticamente empatados nas pesquisas, com tênue vantagem para os socialistas.

Fonte: Estadão