O projeto de construção da maior mesquita do Reino Unido nas proximidades da zona leste de Londres está causando uma grande polêmica.

A região na qual ficará o templo é mesma na qual será construída a Vila Olímpica dos Jogos de 2012.

A mesquita, que receberia inicialmente 10.000 fiéis e que poderia ser ampliada para uma lotação de até 70.000 pessoas, ficaria sob a administração da seita Tablighi Jamaat, ligada ao wahhabismo saudita e à qual muitos acusam de predicar uma versão radical do Islã.

O jornal “Evening Standard” critica hoje que este vá a ser um templo financiado pelo Governo, mas que atua de forma autônoma.

Patrick Sookhdeo, diretor do Instituto para o estudo do Islã e da Cristandade, se pergunta, segundo a publicação, se foram consultados os moradores do bairro, os muçulmanos moderados ou as mulheres.

O porta-voz para planejamento urbano da oposição conservadora na Prefeitura de Londres, Tony Arbour, considera pouco democrático que uma entidade desta natureza tome uma decisão como esta sem consultar os moradores.

Abdul Kalyk, diretor do projeto, explica, por outro lado, que a mesquita seria um marco islâmico e que consistiria em um edifício ondulado inspirado nas estruturas e nas tendas dos nômades.

A seita Tablighi Jamaat foi descrita pelos serviços de inteligência da França como “a ante-sala do fundamentalismo”, algo que é negada por seus porta-vozes.

Embora não esteja envolvida diretamente em nenhuma ação terrorista, dois dos suicidas que agiram em 7 de julho de 2005 na capital britânica, Mohammad Sidiqu Khan e Shezad Tanweer, freqüentavam a sede central do grupo religioso em Dewsbury, no condado de West Yorkshire.

Fonte: EFE