Bola da Copa do Mundo da Rússia com as bandeiras dos países
Bola da Copa do Mundo da Rússia com as bandeiras dos países

Enquanto equipes de 32 países disputam a Copa do Mundo na Rússia, o Ministério Portas Abertas indicou que sete desses países estão em sua Lista Mundial de Perseguição de 2018, onde é mais difícil ser cristão.

Dos 50 países onde os cristãos não são livres para viver sua fé sem a ameaça de perseguição, de acordo com a lista , o Irã está classificado como número 10, a Arábia Saudita no número 12, a Nigéria no número 14, o Egito no número 17, a Tunísia no número 30, o México no número 39 e a Colômbia no número 49.

Enquanto o mundo vê o evento esportivo mais assistido no qual esses sete países estão jogando partidas de futebol, poucos podem perceber que essas nações representam milhões de pessoas que estão sendo perseguidas devido à sua fé.

“No Oriente Médio, no Irã, na Arábia Saudita, no Egito, os muçulmanos convertidos ao cristianismo enfrentam extrema pressão de suas comunidades e famílias”, afirma a Portas Abertas. 

“Em lugares como Irã e Arábia Saudita, os muçulmanos que escolheram seguir Jesus devem manter sua fé em segredo, muitas vezes isolando-os dos crentes e da comunidade cristã. Os cristãos no Oriente Médio também são alvos de grupos extremistas islâmicos, como o Estado Islâmico. No último ano, mais de 200 cristãos no Egito foram mortos por extremistas, por causa da sua fé.”

No Egito, acrescenta o ministério, a discriminação contra os cristãos se estende até mesmo ao esporte. “Enquanto o futebol reúne os egípcios independentemente do status, classe, origem social e profissão, relatórios recentes indicam que a religião ainda é uma barreira, impedindo os jovens coptas de perseguir e competir no esporte. Atletas coptas dizem que enfrentam discriminação religiosa de treinadores muçulmanos e em clubes de futebol espalhados por todo o país”.

Mesmo que o Irã continue a ser um dos países mais restritivos do mundo para cristãos e outras minorias religiosas, com igrejas domésticas não autorizadas e enfrentando repressão regular, um tribunal confirmou no mês passado a sentença de quatro cristãos que foram condenados a 10 anos de prisão por promover o “cristianismo sionista” e agir contra a segurança nacional. Um pastor foi condenado à morte.

Na Nigéria, mais de 400 cristãos foram massacrados por pastores radicais islâmicos Fulani este ano, incluindo um recente ataque a fiéis cristãos que mataram 19, disse o Portas Abertas, acrescentando que o grupo terrorista Boko Haram também continua sua onda de violência.

No início deste mês, dois cristãos na Nigéria central foram emboscados e espancados até a morte  por pastores Fulani.

No ano passado, 3.066 cristãos foram mortos, 1.252 foram sequestrados, 1.020 foram estuprados ou assediados sexualmente e 793 igrejas foram atacadas, de acordo com o ministério Portas Abertas.

Fonte: The Christian Post