A Coreia do Norte sentenciou um missionário sul-coreano a uma pena perpétua de trabalhos forçados depois de o acusar de espionagem e estabelecer uma igreja clandestina.

A acusação pretendia a sentença de morte para Kim Jeong-Wook, identificado pela KCNA, a agência oficial norte-coreana, como Kim Jong Uk durante o julgamento de sexta-feira.

No entanto, o acusado confessou a acusação, incluindo subversão, espionagem e propaganda anti governo, entrada ilegal no país — mostrando-se “profundamente arrependido”.

[b]Fonte: Correio da Manhã – Portugal
[/b]