O acidente deixou ao menos oito mortos e 26 feridos. Duas pessoas permanecem desaparecidas.

Os corpos das vítimas do desabamento ocorrido na manhã desta terça-feira (27) no bairro de São Mateus (zona leste de São Paulo) estão sendo levados a uma igreja evangélica para os trabalhos iniciais de perícia e de reconhecimento.

A informação foi confirmada à reportagem do UOL por agentes da Defesa Civil do município, que foram até o local da tragédia para vistoriar casas e estabelecimentos vizinhos ao desabamento. Ao todo, oito pessoas morreram, 26 ficaram feridas e duas permanecem desaparecidas.

A igreja fica na própria avenida Mateo Bei, onde era construído o prédio de dois pavimentos que desabou ontem, 27, às 8h35.

TRAGÉDIA

O imóvel que desabou tinha dois pavimentos e ficava na avenida Mateo Bei, altura da rua Margarida Cardoso dos Santos. No local estava em construção uma loja de roupas. Antes, o endereço abrigava um posto de gasolina. Ao todo, informações passadas aos bombeiros apontam que 36 pessoas trabalhavam no local.

Os bombeiros chegaram a apontar que 37 pessoas estariam no local, mas um dos possíveis desaparecidos acabou sendo localizado vivo na noite de terça-feira.

Uma das pessoas resgatadas pela manhã foi do operário Rubens Moreno Feitosa, 24, que foi localizado após falar com os bombeiros pelo celular, ainda nos escombros. Ele foi atendido no Hospital Santa Marcelina, mas voltou ao local ao acidente após receber alta.

Ele auxiliou os bombeiros nos trabalhos de busca e viu o resgate do corpo de seu primo que também trabalhava no local. Das sete pessoas que foram encaminhadas ao Santa Marcelina, quatro permanecem internadas, sendo um em estado grave. Ralisson Teixeira da Silva, 22, teve o pé amputado no acidente.

Ao todo, as vítimas foram encaminhadas para o Hospital de Sapopemba, de Cidade Tiradentes, para o Santa Marcelina, para o Hospital Geral de São Mateus e para o Hospital Municipal Dr. Carmino Caricchio (Tatuapé).

Segundo a Prefeitura de São Paulo, a obra não tinha alvará necessário para construção e, de março para cá, já tinha sido multado duas vezes. Após o acidente, o prefeito Fernando Haddad (PT) disse que “tudo estava errado” na obra.

Em 13 de março, a Subprefeitura de São Mateus emitiu um auto de intimação e um auto de multa –no valor de R$ 1.159– por falta de documentação no local da obra. No dia 25 do mesmo mês, a subprefeitura emitiu outra multa pelo não cumprimento da intimação anterior, no valor de R$ 103.500, e embargou a obra.

[b]Fonte: UOL e Folha de São Paulo[/b]