O bispo de Macau, José Lai, associou o desenvolvimento “acelerado” da Região Administrativa Especial chinesa a “cada vez menos respeito pela vida humana” na sua mensagem de Natal.

“Nestes últimos anos, Macau, antes uma cidade serena e simples, tem vindo a registrar um ritmo de desenvolvimento deveras acelerado e a se transformar cada vez mais em uma cidade de grande atração de consumismo”, afirmou José Lai ao alertar que, ao mesmo tempo, “a vida humana parece ser cada vez menos respeitada e quase perde o seu sentido”.

Na sua mensagem de Natal, o bispo salienta que “há pessoas que cometem o suicídio devido à pressão do trabalho ou também devido a perturbações emocionais e ainda por causa da excessiva dependência do jogo”.

Por outro lado, continuou, há também quem, “do alto de um edifício, em situação de desespero, lance a própria criança para a morte” ou “quem, depois de ter bebido muito, acabe por ser vítima de um acidente mortal”.

O bispo católico mencionou ainda a questão do aborto, não a criticando diretamente, e lembrou os problemas derivados do consumo de drogas e do álcool

“Perante esta realidade existente na diocese de Macau”, não se pode deixar de apelar ao “devido respeito pela vida e à necessidade da sua defesa, seja da própria vida, seja da dos outros”.

O bispo de Macau reconheceu também da parte do governo, dos dirigentes das várias religiões, de agentes da educação e de obras de caridade, empenho e esforço na proteção e defesa do valor da vida humana e fez “sinceros votos de que se possam continuar a manter vivo” esse objetivo.

Fonte: Lusa