A prisão de Estevam e Sonia Hernandes nos Estados Unidos, líderes da Igreja Renascer, está provocando uma migração de fiéis para igrejas evangélicas menores. Um pastor da Renascer comunicou saída por e-mail. Bispa continua pedindo doações a fiéis através de telões.

Decepcionados com as denúncias de estelionato e lavagem de dinheiro contra os bispos, eles buscam ajuda espiritual em outras casas de oração.

O movimento é visível nos templos, já que há cada vez mais bancos vazios durante os cultos. A igreja nega o esvaziamento e diz que mantém 600 templos no Brasil. No passado, entretanto, a igreja chegou a ter cerca de 1.200 no Brasil e no exterior. Mesmo cumprindo prisão domiciliar nos EUA, a bispa Sonia continua pedindo doações nos cultos através de um telão.

O empresário Amaro Cezar Florêncio Pinto, de 42 anos, foi um dos que deixou a igreja. Em 11 anos de Renascer, ele chegou a desembolsar dízimos mensais de até R$ 5 mil.

– A Renascer é uma empresa com metas – justifica.

Um dos pastores da Renascer pediu afastamento por email.

O também empresário Amaro Pinto saiu da Renascer em 2004. Ele freqüentava o templo do Jabaquara, na zona sul, e conta que cansou dos desafios com metas de arrecadação.

– Tinha fiel que dava o dinheiro da passagem do ônibus e voltava a pé para casa. Enquanto isso, os bispos e pastores saíam do estacionamento em carros importados – denuncia o empresário. Hoje, Florêncio integra uma igreja com cerca de 250 fiéis. Acredita que, no novo ambiente, a palavra de Deus é levada a sério.

O contra baixista Igor Cavalcante, 29 anos, é outro dissidente da Renascer. Ele abandonou a filial de Diadema, no ABC, no final do ano passado, porque, segundo ele, o dinheiro arrecadado não era aplicado na estrutura da igreja.

– Tínhamos de fazer vaquinha para consertar equipamentos musicais e até para comprar o lanche do bispo. Não é Deus que está enchendo o bolso, é só uma família – disse.

Hoje, Cavalcante se considera um evangélico não-praticante.

– Se voltar para uma igreja, não serei mais voluntário- diz.

Ele considera branda a condenação aplicada ao apóstolo Estevam e à bispa Sônia pela Justiça americana.

– Deviam pegar pelo menos 30 anos de cadeia.

O professor Paulo Romeiro, da pós-graduação em Ciências da Religião da Universidade Mackenzie, confirma que há uma evasão na Renascer depois das acusações contra os fundadores.

– Muita gente montou grupos de oração e estudos bíblicos – diz Romeiro.

– Basta assistir à Rede Gospel (canal da Renascer na TV paga) para observar que os bancos das igrejas estão vazios – completa Leonildo Campos, professor da Universidade Metodista de São Paulo.

A solução encontrada pela analista de crédito Iara Caetano, de 34 anos, foi participar aos sábados de um grupo de oração com 20 pessoas. Quando se sente mal, ela liga para o orador e reza pelo telefone, ajoelhada.

– E ele não pede um centavo.

Segundo a Renascer, neste momento, a igreja vive um crescimento muito grande e fiéis que estavam em ‘dúvida, dada a grande enxurrada de notícias sobre os fundadores, estão voltando. Um dos indicadores desse retorno seria a Marcha para Jesus, que tema Renascer como uma das organizadoras, que esta ano reuniu mais gente do que em 2006.

Os fundadores da Renascer, Sônia e Estevam Hernandes, cumprem pena de 140 dias, em regime fechado, e cinco meses de prisão domiciliar por entrarem nos Estados Unidos com US$ 56 mil não declarados à alfândega americana. No Brasil, o casal é acusado de estelionato e lavagem de dinheiro.

Pastor da Renascer comunicou saída por e-mail

Então pastor do templo sede da Renascer em Cristo, no Cambuci, Centro da capital, o taxista Alain Sales, 46 anos, se aborreceu com o fato de o apóstolo Estevam e a bispa Sônia não “confessarem a culpa” diante das acusações.

Sales, que deixou a instituição há um ano, afirma que enviou um e-mail ao apóstolo Estevam comunicando o seu desligamento.

– Ele ligou para mim e perguntou se eu iria sair mesmo. Disse que eu e minha família fomos abençoados na Renascer – conta.

Sales freqüentou por dez anos e meio a Renascer, e foi pastor nos últimos seis meses. Ele cuidava do batismo no templo-sede. Quando rompeu com a igreja, levou consigo 20 parentes.

– Eles mentiram. Continuaram negando tudo. Só há perdão quando há arrependimento. Para isso, é necessária a confissão – diz Sales.

E completou:

– Não deu mais para caminhar junto. O Ministério Público apresentou provas, muitas reportagens mostraram o que acontece lá.

Sales entrou em uma igreja chamada Senhor é Paz, que tem cerca de cem fiéis e se reúne em uma sede ou na casa de algum membro.

– Não tem dízimo, não é pedido dinheiro – ressalta Sales.

– Estou mais tranqüilo. Não tem essa coisa de desembolsar para receber Deus. Lá, a gente só recebe.

Os familiares de Sales também foram para igrejas menores. Hoje, o ex-pastor vê a Renascer como um show que atrai pessoas interessadas em diversão.

Através de telões, bispa continua pedindo doações a fiéis

Mesmo cumprindo prisão domiciliar em Miami, nos Estados Unidos, a bispa Sônia Haddad Hernandes apareceu nos telões do templo do Cambuci, no centro de São Paulo, sede da igreja Renascer em Cristo, pedindo ofertas de até R$ 10 mil aos fiéis que participavam do culto na noite da última quarta-feira.

– Levantem as mãos e digam: Vou entregar ofertas que nunca entreguei em minha vida. Deus vai aumentar o seu crédito. Deus vai te suprir em cada uma das suas necessidades. Pegue o envelope, fique de pé e faça a oferta especial. Vá até o altar e dê R$ 1 mil, R$ 5 mil, R$ 10 mil. Os bispos vão orar por você – disse a bispa Sônia. Não foi possível verificar se era uma gravação ou uma pregação ao vivo, por meio de videoconferência.

Entre leituras bíblicas e palavras de alento, a bispa afirmou que havia falado duas vezes naquele dia com o marido, o apóstolo Estevam, preso em uma cadeia federal americana. Segundo Sônia, ele está pregando o evangelho aos companheiros de prisão.

O culto, nos dias mais procurados, começou às 19h30. No início, as fileiras estavam quase vazias da metade da igreja para trás. Depois, mais pessoas chegaram, porém muitos bancos continuaram desocupados.

A cerimônia deu espaço a testemunhos de fiéis – relatos de “sorte” financeira. Uma mulher contou que tinha dívida em uma loja e, quando foi pagar, avisaram-na que não existia a pendência. Foi aplaudida.

A igreja não comentou uma possível perda de arrecadação com a migração de fiéis para outras igrejas após a prisão dos bispos. Segundo a Renascer, o objetivo básico da igreja é o contato dos fiéis com Jesus Cristo e não priorizar o fluxo de receita.

Fonte: Globo Online