Depois de quatro tentativas de assassinato nos últimos três anos, o prefeito cristão Armando¹ enfrenta agora uma campanha de difamação lançada pelo National Liberation Army² (Exército de Libertação Nacional, em inglês, ELN), os guerrilheiros na Colômbia.

O ELN declarou abertamente sua intenção de desacreditar a imagem do prefeito cristão, para desencorajar o voto a qualquer candidato cristão nas próximas eleições regionais em 2011.

Nos últimos cinco anos, o ELN travou uma luta armada contra os guerrilheiros das FARC-EP, permitindo que as igrejas locais em Arauca experimentassem alguma liberdade. Mas devido a uma recente aliança entre rivais grupos guerrilheiros, ambos têm feito os cristãos como alvo principal.

Pastores da cidade de Armando foram ameaçados para votar nele como prefeito em quase três anos atrás. Desde então, quatro cristãos, que eram funcionários do gabinete do prefeito, foram mortos pelo ELN em 2008, e outros três foram mortos a tiros em 2009.

Frustrados com as tentativas de matá-lo, o ELN recentemente recorreu à contratação de alguns deputados de esquerda que mobilizaram protestos de grupos étnicos contra o prefeito ao longo das estradas da cidade, exigindo maiores subsídios do governo. Um deputado que alegou ser cristão no passado, agora se aliou com a guerrilha para promover esta campanha de difamação contra Armando.

Este colaborador do ELN também conseguiu usar as estações base de rádio perto da fronteira com a Venezuela para desacreditar Armando, em uma tentativa subversiva para evitar que ele ou qualquer outro cristão evangélico ganhe um cargo público nas eleições de outubro de 2011. Nos últimos anos, o ELN detinha o controle considerável sobre outros prefeitos da região, mas Armando e outros cristãos têm se recusado a ceder à sua intimidação.

Em setembro de um representante da Portas Abertas Internacional viajou para a região de Arauca, na fronteira leste da Colômbia com a Venezuela, para visitar e orar com Armando e outro prefeito cristão. Ambos eleitos têm sido atingidos diretamente pelo ELN por se recusar a canalizar fundos públicos ou privilégios de seus municípios para as mãos do grupo armado dos revolucionários.

Emocionado, Armando compartilhou de sua dor e a solidão causada pela oposição corrente contra ele e aos cristãos locais.

“Foi um tempo de refrigério,” disse Armando e acrescentou que “ser capaz de dizer o que sofro por causa das ameaças do grupo criminoso. Posso sentir as orações que a Portas Abertas Internacional tem feito por mim, e tanto me fortalecem”.

Grato pelo apoio e orações, o líder declarou a Portas Abertas sua confiança a Deus, cuidado e esperança de que as acusações falsas contra ele serão expostas.

¹ Pseudônimo
² É o segundo maior grupo colombiano com aproximadamente 4.500 membros, atrás somente do Revolutionary Armed Forces of Colombia (Forças Revolucionárias Armadas da Colômbia, em ingles, FARC).

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]