Cristão paquistanês, acusado falsamente de blasfêmia por proteger seu sobrinho (8) de ser espancado por outros garotos muçulmanos, foi absolvido pelo tribunal paquistanês

Dildar Masih, um jovem de 27 anos, pai de dois filhos, foi absolvido em 26 de março já que os promotores não conseguiram encontrar provas suficientes para incriminá-lo.

“Eu fui ao tribunal três vezes durante todo o processo desse caso, mas nenhum dos meus acusadores apareceu nas audiências”, disse Masih ao Compass. “Você não pode imaginar a minha alegria quando os funcionários da prisão disseram que eu havia sido absolvido. Eu não tinha sido levado para audiência esse dia, só meu advogado e meu pai estiveram presentes”.

Seu sobrinho, Ihtesham, tinha saído para buscar gêlo, quando foi barrado próximo a uma madrassa por meninos muçulmanos que queriam obrigá-lo a se converter ao islamismo.

Ao perceber a confusão, Dildar Masih correu para o local, tirou seu sobrinho do tumulto e depois voltou para o trabalho. Logo após o incidente, um grupo de muçulmanos de cerca de 55 pessoas cercaram a casa de Dildar e ordenaram que seu pai, Yousaf Masih, entregasse o “blasfemador”.

Yousaf Masih disse que o acusador, Hasnaim, teria ouvido Dildar “zombar das sagradas palavras islâmicas”. Logo depois Hasnain telefonou para líderes religiosos locais que convocaram todos os muçulmanos a “sair em defesa do Islã”.

Sem saber das declarações e acusações feitas pelos muçulmanos, Dildar não tinha ideia porque havia uma multidão em frente a sua casa e correu pra cima deles, pensando que estavam atacando seu pai.

A polícia registrou a acusação de blasfêmia contra Dildar na noite em que ele foi preso. Mas na mesma noite, uma multidão de 2.500 muçulmanos se reuniu em frente à delegacia e queriam que as autoridades entregassem Dildar para ser morto.

Dildar Masih disse que durante o tempo que passou na prisão, ele manteve sua fé de que Jesus iria libertá-lo dessas falsas acusações e de que ele poderia voltar para sua família.

“Orei muito. Foi a única coisa que eu fiz na prisão além de comer e dormir”, disse ele. “Continuava dizendo para Deus que tinha plena fé nele e que esperava que um dia Ele pudesse me libertar”.

Depois de ser liberto ,Dilmar junto com a sua família tiveram que se mudar para outra região.

“Cerca de 13 pessoas estão atualmente presas na cadeia central de Multan sob a acusação de blasfêmia”, disse ele. “Eu era o único cristão e, provavelmente, o único que conseguiu voltar para casa em menos de um ano”, concluiu.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]