Os seqüestros feitos por milícias extremistas no Iraque para o financiamento da guerrilha armada estão se tornando cada vez mais comuns. O problema é que na maioria das vezes as vítimas são assassinadas, mesmo após o pagamento do resgate.

No dia 7 de abril Fadi (seu último nome será mantido em sigilo), 30 anos, um jovem que trabalha na Igreja da Aliança, em Bagdá, foi capturado por um grupo extremista enquanto ia de táxi de Kirkuk a Bagdá.

Fadi conseguiu ligar para um amigo da mala do carro e dizer que havia sido capturado, contou um membro da igreja. O motorista de táxi também foi mantido preso pelos seqüestradores, mas acabou solto três dias depois.

Segundo um colaborador da Portas Abertas, a Igreja da Aliança, assim como outras igrejas evangélicas do Iraque, esteve orando e jejuando para que a esposa de Fadi fosse poupada do assassinato do marido. Muitos seqüestros terminam em morte após o pagamento do resgate no Iraque.

Após o pagamento de um alto resgate, Fadi foi solto no dia 13, segundo informações da Sociedade Aliança Mundial.

O colaborador da Portas Abertas no Iraque confirmou a libertação de Fadi, na manhã do dia 14 de abril. “Estou comovido e nós agradecemos a Deus pela libertação dele”, disse. Segundo ele, apesar de cansado e ainda estarrecido com o que acontecera, Fadi parecia bem.

Seu pastor confirmou que ele não foi machucado fisicamente e que a comida fornecida no cativeiro até estava boa. Contudo, ele não pôde tomar muita água e nem mesmo trocar de roupa.

Louvores a Deus

O dinheiro pago pelo resgate foi levantado entre seus conhecidos e amigos. Fadi contou que assim que o dinheiro foi entregue aos seqüestradores, eles lhe deram um recado velado, mostrando que várias outras pessoas seqüestradas pelo grupo acabaram mortas.

“Senti que Deus estava comigo e falava comigo todo o tempo”, disse Fadi. “Passar pela pressão psicológica não foi nada fácil”, contou o jovem cristão. Devido ao extremo cansaço, Fadi não conseguiu estender mais a entrevista, mas ficou extremamente grato a Deus e agradecido por sua liberdade.

A Sociedade Aliança Mundial informou que, um pouco antes da libertação de Fadi, os seqüestradores deram a ele uma mala com diversas carteiras de identidade e disseram que elas pertenciam a pessoas que eles tinham seqüestrado e assassinado. Eles ordenaram que ele olhasse bem para a sua identidade e então disseram: “Nós não sabemos o porquê, mas não vamos matá-lo”.

No momento do seqüestro, Fadi estava voltando de uma igreja evangélica em Kirkuk, onde havia ajudado em um evento de jogos esportivos e estudo bíblico voltado para jovens e crianças. Fadi pregou nas duas atividades.

“Nós agradecemos a Deus por esta libertação”, disse o colaborador da Portas Abertas. “Nós o trouxemos do aeroporto em Erbil, então ele voou para Bagdá, para junto de sua família e amigos”, contou.

O pastor de Fadi, que estava na casa dele em Bagdá ao lado de sua família e de outros membros da igreja, falou com ele por telefone logo após a libertação. Todos se alegraram, cantando louvores e agradecendo a Deus pela vida de desse irmão.

Fonte: Portas Abertas