Líder de uma igreja evangélica no Irã, Farshid Fathi estava entre os 30 prisioneiros que sofreram espancamentos quando guardas e agentes de segurança invadiram celas da Prisão Evin, uma das mais conhecidas do Irã, em 17 de abril.

Farshid Fathi, que está cumprindo pena de seis anos por falsas acusações políticas, teve um pé quebrado quando um guarda o atacou para evitar que auxiliasse um companheiro de cela, no momento em que forças do Ministério de Inteligência, Guarda Revolucionária e mais de 100 guardas da prisão iniciaram um ato violento sem precedentes.

[img align=left width=300]https://www.portasabertas.org.br/images/1120054/3119743[/img]O incidente ocorreu após os prisioneiros protestarem contra uma inspeção agressiva que durou mais de cinco horas. As autoridades iranianas negaram os relatos; no entanto, um membro do Parlamento Iraniano, Ali Motahari, pediu que as famílias dos prisioneiros tivessem permissão para visitá-lo, a fim de assegurar que a verdade sobre as alegações esteja mesmo sendo revelada.

Ao menos outros 29 prisioneiros foram vítimas de espancamentos, resultando em crânios fraturados, costelas e membros quebrados, e mais 32 foram transferidos para o confinamento solitário. Os prisioneiros feridos não tiveram acesso a tratamento médico até que os médicos aprovados pelo Ministério de Inteligência chegassem.

Falando aos Ministérios ELAM após o ocorrido, Farshid Fathi disse: “Hoje eu celebro a ressurreição de nosso Senhor num misto de alegria e dor, de uma forma diferente, em um lugar diferente. Meu pé esquerdo está engessado após ter sido quebrado na última quinta, em violações contra prisioneiros indefesos sob a desculpa de estarem realizando inspeções. Após três dias de dor, finalmente me levaram algemado ao hospital, na manhã de Páscoa. Embora com muita dor, eu tomei isto como um presente de Deus, estando por algumas horas fora da prisão”.

A Prisão Evin, em Teerã, abriga muitos prisioneiros políticos, incluindo cristãos encarcerados por falsos crimes políticos, como Alireza Seeyidian, Ebrahim Firouzi e Rasoul Abdollahi.

Em todo o Irã, sabe-se que pelo menos 50 pessoas ainda estão na prisão por causa de sua fé ou atividades cristãs. Alguns, como Farshid, foram condenados e sentenciados, embora muitos não foram ainda formalmente acusados. Outros foram libertados sob fiança e aguardam audiências. Ore por esses irmãos que sofrem por causa de fé em Jesus Cristo e peça ao Senhor pela recuperação de Farshid e os demais feridos.

[b]Fonte: CSW[/b]