No dia 14 de abril, dois cristãos argelinos foram presos em Orã por compartilharem sua fé com seus vizinhos. Eles deverão se apresentar ao tribunal para responder às acusações de proselitismo e blasfêmia, e poderão enfrentar a sentença de um ano de prisão.

Um dos cristãos, Sofiane, foi liberado um dia depois de sua prisão, mas Krimo permaneceu preso durante três dias. Após a prisão, a polícia Argelina revistou a casa de Krimo procurando por Bíblias e outros materiais cristãos.

Krimo é conhecido por realizar cultos de orações em sua casa. Os cristãos argelinos suspeitam que as reuniões estavam sendo monitoradas pela polícia.

Uma audiência, inicialmente para o dia 27 de abril, foi adiada. Os cristãos argelinos temem que uma lei apresentada em 2006 – exigindo que os cultos necessitassem de permissão do governo – seja aplicada, o que pode resultar em cinco anos de prisão e uma multa de US$ 1.390,00. A liderança da igreja demonstrou frustração em relação à negligência do governo em registrar as igrejas.

“A Igreja Protestante da Argélia (EPA) contratou um advogado para defender Krimo e Sofiane. Estamos esperançosos de que eles serão inocentados. Apesar de a constituição dizer que devemos respeitar outras religiões além do islamismo, o governo é islâmico, e o Artigo 2 diz que o ‘Islã é a religião do Estado’. Não há respeito pelos direitos humanos ou pela liberdade religiosa e a igreja protestante está sofrendo”, diz um pastor.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]