Os cristãos são oprimidos cada vez mais no Cazaquistão. Segundo a agência de notícias Forum 18, em 7 de março, um tribunal administrativo na cidade de Shymkent sentenciou o pastor Fauzi Gubaidullin a três dias de prisão por liderar uma igreja batista não registrada e por se recusar a acatar uma ordem da corte de fechar a igreja por três meses.

Em Aktobe, no fim de fevereiro, o pregador teve seu carro e sua máquina de lavar confiscados, a fim de pagar as multas que ele recebera por sua atividade religiosa pacífica. O pastor não tinha pagado as multas.

Yuri Pfafenrot, membro dessa congregação de Shymkent, diz que as coisas estão ficando difíceis para o Conselho de Igrejas Batistas no Cazaquistão. “Primeiro eles vêm e nos oferecem o registro, mas nós recusamos. Agora eles insistem que nós devemos nos registrar e, quando não obedecemos, eles aplicam grandes multas ou até abrem processos contra nós.”

O representante de direitos humanos Bolat Baikadamov apóia os pedidos dos batistas por um fim aos registros compulsórios. Mas Bolat disse que cabe aos cristãos pressionar os deputados parlamentares e pedir o fim da exigência. Entretanto, parece que os planos da corte de criar emendas à Lei Religiosa vão deixar essas exigências ainda mais restritivas.

Peça para Deus mudar os corações dos líderes do governo no Cazaquistão.

Fonte: Porta Abertas