Fiéis no Irã
Fiéis no Irã

Um bispo ortodoxo está sendo criticado por afirmar que os cristãos no Irã gozam de total liberdade e “não estão sendo perseguidos de nenhuma maneira”.

O bispo Sibo Sarkisian, bispo armênio-ortodoxo de Teerã, afirmou em entrevista à agência de notícias espanhola EFE que o governo do Irã permite que os cristãos pratiquem livremente sua fé.

“Temos liberdade de religião no Irã e o governo islâmico concede aos cidadãos cristãos todo o direito de praticar sua fé, incluindo a observação de suas festas, como o Natal. Eles não têm permissão para compartilhar sua fé publicamente, como está proibido sob a lei do governo islâmico “, disse o bispo.

Sarkisian também observou que ele não aprova a “ideia de evangelismo”, acrescentando que “cada indivíduo deve aderir a sua própria identidade religiosa, nacional e étnica”.

Mohabat News , que se descreve como a agência de notícias de cristãos iranianos e um grupo de “cristãos que acreditam na Bíblia que acreditam na propagação da palavra de Deus”, criticou as observações do bispo.

A agência de notícias apontou que o evangelismo não é apenas uma ideia, mas um mandamento de Jesus Cristo para todos os Seus seguidores.

Continuou a explicar que milhões de crentes, inclusive aqueles no Irã, vêem o evangelismo como uma parte essencial da fé e que as restrições contra ele demonstram que os cristãos não têm total liberdade no regime islâmico.

A agência também acusou o bispo de ser unilateral por sugerir que os cristãos deveriam aderir a sua própria identidade religiosa ao não falar contra os anúncios públicos do governo quando um povo não muçulmano se converte ao islamismo.

Mohabat observou ainda que a Igreja Ortodoxa Armênia no Irã foi despojada de sua autonomia para tomar suas decisões desde a Revolução Islâmica. Apontou que as observações do bispo eram o “exemplo perfeito” da falta de liberdade da Igreja na adesão aos ensinamentos bíblicos no Irã.

Vários relatórios no ano passado indicaram que as autoridades iranianas têm visado os convertidos cristãos com prisão.

De acordo com o Centro para os Direitos Humanos do Irã (CHRI), com sede em Nova York, o Tribunal Revolucionário de Teerã emitiu  longas penas de prisão a pelo menos 11 convertidos cristãos desde junho de 2017.

O diretor executivo da CHRI, Hadi Ghaemi, observou que, embora a Constituição iraniana reconheça os cristãos como uma minoria religiosa oficial, o Estado continua a persegui-los.

“O Estado deve respeitar suas próprias leis e obrigações internacionais e permitir que os cristãos e todas as minorias religiosas tenham plena liberdade de culto”, disse Ghaemi.

Devido às restrições do governo aos não-muçulmanos, a Open Doors USA (Missão Portas Abertas nos EUA) classificou o Irã na Lista Mundial de Perseguição de 2017 como o oitavo pior país quando se trata da perseguição de cristãos.

O Irã também foi listado pela Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional entre os cinco países que criticam as leis de blasfêmia feitas para proteger o Islã. Com informações de The Christian Times.