Encontro histórico entre o presidente dos EUA,, Donald Trump, e o presidente norte-coreano, Kim Jong-un
Encontro histórico entre o presidente dos EUA,, Donald Trump, e o presidente norte-coreano, Kim Jong-un

O evangelista norte americano Franklin Graham acredita que a reunião do presidente Donald Trump com o líder supremo da Coreia do Norte, Kim Jong Un, nesta terça-feira, 12 de junho, beneficiará a comunidade cristã altamente perseguida na nação isolada.

Em uma entrevista  à Christian Broadcasting Network, na terça-feira, perguntaram ao chefe da Associação Evangelística Billy Graham e à organização humanitária Samaritan’s Purse, se ele achava que o encontro de Trump com Kim teria “o potencial de aliviar parte da perseguição aos fiéis na Coreia do Norte”.

A questão vem quando a Missão Portas Abertas dos EUA classificou a Coreia do Norte nos últimos 16 anos como o pior perseguidor de cristãos no mundo, enquanto dezenas de milhares de crentes foram mortos ou forçados a trabalhar em campos de prisioneiros por causa da sua fé.

“Sem dúvida, sem dúvida”, respondeu Graham, que fez pessoalmente quatro viagens humanitárias à Coreia do Norte. “Acho que esse encontro com Kim Jong Un e o presidente Trump é enorme. Sim, os cristãos vão se beneficiar na Coreia do Norte como resultado do presidente Donald J. Trump.”

Graham, filho de Billy Graham, um dos muitos líderes evangélicos brancos envolvidos pessoalmente com o governo Trump, explicou que ele falou diretamente com Trump sobre a Coreia do Norte.

“Eu conversei com ele em várias ocasiões sobre a Coreia do Norte e acredito que esta é provavelmente uma das áreas mais perigosas do mundo e eu o encorajei a prestar atenção a ela”, disse Graham, de 65 anos. “Estou certamente feliz que ele e o resto da administração estejam se concentrando nesta região do mundo”.

Graham mantém que ele está muito otimista sobre o que o futuro reserva para a península coreana. Ele acrescentou que, se ambos os lados puderem, de alguma forma, elaborar algum tipo de acordo de paz concreto, isso poderia salvar bilhões de dólares do governo americano, por não ter que enviar tropas e exércitos para a região.

“Ainda mantemos nossos exércitos na fronteira, bilhões de dólares foram gastos [nos últimos 50 anos] e não houve movimento. E o presidente Trump é o primeiro presidente que está tentando resolver essa questão”, disse Graham. “Eu o recomendo e agradeço a Deus por ele ter tomado essa direção e ele está se concentrando nisso.”

“Acho que os norte-coreanos estão querendo falar com os americanos há muito tempo”, acrescentou. “Esta é a primeira administração com a qual eles puderam conversar diretamente assim. Os norte-coreanos só querem mostrar respeito e outras administrações apenas os ignoraram como se não fossem nada. São pessoas orgulhosas.”

Na entrevista, Graham disse que todos os cristãos devem orar por seus líderes políticos, até mesmo os crentes norte-coreanos que estão sendo perseguidos por seus próprios líderes do governo.

Franklin Graham - evangelista norte americano
Franklin Graham – evangelista norte americano

“Eu quero que o governo comunista saiba que os cristãos não são seus inimigos, que eles têm o potencial de serem os melhores cidadãos do país, porque Deus ordena a todos nós que oremos pelos que têm autoridade – se oramos pelo nosso próprio presidente ou as pessoas na Coreia do Norte que são cristãs deveriam orar por sua liderança “.

Houve muita especulação antes da reunião de terça-feira em Cingapura, se Trump traria ou não a questão da perseguição cristã com Kim. Durante uma conferência de imprensa  após a cúpula, Trump assegurou que a questão foi de fato discutida até certo ponto.

“Eu falei sobre isso, absolutamente”, respondeu Trump. “Eles vão trabalhar nisso. Nós não colocamos no documento. Será trabalhado.”

Graham não é o único líder religioso que expressou otimismo sobre a cúpula. Líderes católicos na Coreia do Sul acolheram o encontro com “surpresa e alegria”.

Fonte: The Christian Post