A recém-inaugurada igreja de Narasapur Marthoma, que pertence à missão Hoskote, no distrito de Kolar, Estado de Karnataka, foi atacada por supostos militantes hindus.

Um grupo com cerca de 50 pessoas foi até a igreja com bandeiras alaranjadas e faixas na cabeça um pouco depois do início do culto de domingo. Eles gritavam palavras de ordem contra os cristãos e exigiram que a igreja fosse fechada para sempre.

Todo o sistema elétrico da igreja foi destruído pelo grupo.

No final do tumulto, os militantes mandaram que os cristãos entregassem os evangelistas Jeyaraj e James. Uma das pessoas informou que eles tinham saído para dirigir um culto em outra igreja, em Baelemananahalli.

Imediatamente os radicais se dirigiram até o local, de carro, mas chegando lá não encontraram os evangelistas. Por causa disso, atacaram vários cristãos. Muitos foram espancados, incluindo uma mulher chamada Leelamony. Também foram feridos Govindappa, Santhosh e Philip.

Os agressores suspeitaram de dois cristãos, imaginando que eles fossem os evangelistas Jeyaraj e James. Ambos foram seriamente espancados.

Eles também exigiram que o contrato de aluguel do local fosse cancelado em 10 dias e que os evangelistas fossem entregues a eles.

Um boletim de ocorrência foi registrado no posto policial de Venkal.
O reverendo Sabu Thomas é o responsável pela igreja de Narasapur Marthoma.

Há apenas três meses, a missão Santhosh de Baelemananahalli foi duramente atacada e o caso registrado no mesmo posto policial.

A missão Hoskote foi fundada pela igreja síria Marthoma de Malabar em1946. Seis congregações surgiram a partir deste trabalho.

O reverendo Paul Ciniraj, presidente da organização de Ministros Cristãos das Igrejas na Índia (CMCI, sigla em inglês), condenou o ataque à igreja de Narasapur Marthoma. Ele pediu aos governos federal e estadual que tomem uma providência rápida.

“A Índia é um grande país democrático e secular. É uma absoluta vergonha para os líderes sociais e culturais da Índia manter o silêncio quando minorias e dalits estão sendo perseguidos. Eles deveriam abrir a boca e reagir contra a perseguição de inocentes”, disse Paul.

Para ele, “aqueles que perseguem dalits, minorias e cristãos perturbam a ordem pública e por isso deveriam ser considerados inimigos da nação”.

“A perseguição dirigida a grupos minoritários e dalits, e em particular aos cristãos, tem se ampliado por toda a Índia. Pastores, missionários, evangelistas e cristãos estão morrendo, apanhando e sendo aprisionados. As igrejas estão sendo destruídas por vândalos. As autoridades freqüentemente ficam em silêncio ou protegem os agressores. Ao ouvirem essas notícias chocantes, muitos líderes manifestam simpatia, mas depois simplesmente se esquecem, o que não é bom. Devemos reagir. Devemos combater a perseguição. É nossa responsabilidade assegurar que a vida e os pertences de cada um, de cada cidadão estejam a salvo e seguros”, disse Paul Ciniraj.

Fonte: Portas Abertas