Um grupo de extremistas anticristãos registrou, recentemente, uma queixa contra cristãs em Sikkim, alegando que elas convertiam pessoas ao cristianismo à força. Muitos grupos religiosos extremistas se sentem ameaçados quando missionários cristãos tentam testemunhar em sua área.

Na queixa, o grupo visou especificamente duas cristãs e uma missionária.

O incidente que levou à ocorrência aconteceu em uma comunidade onde vivem muitos anticristãos. Nessa área, os missionários precisam obter licença para ir de um lugar para outro. Apesar das dificuldades, muitas pessoas estão se convertendo a Cristo, e uma próspera igreja está se formado no local.

Malati, uma moradora da localidade, recebeu Cristo em sua vida no dia 4 de fevereiro. Desde que ela começou a servir o Senhor, os extremistas lhe têm feito forte oposição. Eles também pressionam a irmã de Malati, Sahira, que também é cristã, e Amala, uma missionária da Gospel for Ásia, que iniciou a igreja. Os extremistas querem que elas parem de falar do evangelho e deixem de viver para Cristo.

As tensões aumentaram ao longo dos últimos meses porque muitas pessoas estavam se convertendo. Os extremistas na área se reuniram para traçar um plano a fim de acabar com os fiéis. Uma vez que não conseguiram remover os missionários por conta própria, eles decidiram levar o caso à corte.

As mulheres permanecem firmes e confiantes que o Senhor cuida delas enquanto enfrentam oposição. Elas também estão orando para que a corte julgue o caso a seu favor.

Amala pede orações para que o Senhor intervenha e seu ministério não seja impedido. Ela também pede orações por Malati e Sahira, para que elas tenham coragem para enfrentar qualquer oposição da corte ou dos extremistas.

Fonte: Portas Abertas