Chefe de gabinete de Lula pediu a mediação do presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil para conter campanha contra Dilma.

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), órgão formado por 39 membros da cúpula da entidade, terá uma reunião privativa hoje de manhã, em Brasília, com a participação do núncio apostólico, d. Lorenzo Baldisseri, para discutir a polêmica provocada pela distribuição de cópias de uma nota que condena a candidatura de Dilma Rousseff, com a alegação de que a petista defende o aborto.

O núncio apostólico, que concelebrará a missa do dia com os bispos, ouvirá um relato sobre os desdobramentos da divulgação, entre os fiéis, à porta das igrejas ou pela internet, de uma mensagem da Comissão em Defesa da Vida, coordenada pelo padre Berardo Graz, com a aprovação da presidência do Regional Sul 1, que reúne as 41 dioceses de São Paulo. Além desse texto, foi distribuído um artigo do bispo de Guarulhos, d. Luiz Gonzaga Bergonzini, ainda no primeiro turno das eleições, recomendando aos eleitores que não votassem em Dilma nem em qualquer candidato do PT.

Anteontem, o chefe de gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, revelou no programa Tribuna Independente, da Rede Vida de Televisão, emissora católica, que pediu a mediação do presidente da CNBB, d. Geraldo Lyrio Rocha, e do núncio apostólico, para tentar conter a campanha de bispos e padres contra Dilma. D. Lorenzo Baldisseri, segundo Carvalho, foi muito receptivo e prometeu analisar a polêmica.

“A interferência do núncio apostólico é uma questão delicada, por causa da ambiguidade de seu cargo, uma vez que ele é um diplomata que representa a Santa Sé perante o governo brasileiro e o delegado do papa junto ao episcopado”, observou d. Angélico Sândado Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC) e ex-bispo auxiliar de São Paulo.

Um dos participantes da reunião do Conselho Permanente observou, ontem à tarde, que d. Lorenzo Baldisseri é muito cioso Acordo Brasil-Santa Sé, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo papa Bento XVI, que defende o direito à vida e, portanto, a condenação do aborto. “O núncio não vai querer que a Igreja extrapole os limites”, prevê o bispo.

Na prática, isso pode significar que o episcopado será aconselhado a se restringir às notas divulgadas pela CNBB, nas quais a entidade recomenda o voto em candidatos comprometidos com valores éticos, sem citar nomes ou partidos.

[b]TSE[/b]

A mitra de Guarulhos, pessoa jurídica da diocese, entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após a apreensão de panfletos contra Dilma numa gráfica do bairro do Cambuci, em São Paulo, à qual d. Luiz Gonzaga teria encomendado a impressão de 1 milhão de cópias.

[b]Fonte: Estadão[/b]