O cardeal Dom Cláudio Hummes, prefeito da Congregação para o Clero, tentou diminuir na noite deste domingo (25) a polêmica em torno da exortação Sacramentum Caritatis, documento sobre a eucaristia. Qual deve ser a posição da Igreja Evangélica? [url=http://www.folhagospel.com/site/html/modules/xoopspoll/]Clique aqui[/url] e dê sua opinião.

Para o cardeal, o erro de tradução que associou a palavra praga aos segundos casamentos gerou uma polêmica inútil. Dom Cláudio afirmou que a exortação demonstra a preocupação de Bento XVI com a tradição católica. “O papa não inovou nada. Ele apenas repete o que a Igreja sempre ensinou”, disse o cardeal.

Dom Cláudio comentou as críticas ao documento após celebrar em São Paulo a ordenação episcopal de Frei João Bosco, novo bispo de União da Vitória, no Paraná. A missa ocorreu na Vila Clementino, na Zona Sul da capital paulistao. O prefeito da Congregação do Clero lembrou que o conteúdo da exortação não se resume à questão do segundo casamento e que a palavra “piaga”, do texto original em italiano, deveria ter sido traduzida como “chaga” e “ferida”.

A versão divulgada inicialmente utilizou o termo praga. “A tradução da palavra chocou muito. Isso foi um mal-entendido inútil. Os meios de comunicação não deram importância ao que o papa disse sobre a eucaristia”, disse o cardeal. No texto correto, o Papa afirma que o segundo casamento é “uma verdadeira ferida no contexto social atual”.

Silêncio obsequioso

Outra das manifestações recentes do Vaticano, que ajudou a reforçar o clima de conservadorismo no atual papado, foi a repreensão ao teólogo jesuíta Jon Sobrino. A Congregação para a Doutrina de Fé censurou na quarta-feira (14) o defensor da Teologia da Libertação na América Latina. A censura ao jesuíta afirma que os escritos de Sobrino dão ênfase demais ao lado mortal de Jesus Cristo e que eram “errôneos e perigosos”.

Sobrino não foi punido, mas a igreja ressaltou que suas idéias estão em desacordo com os dogmas católicos. Dom Cláudio disse que as críticas ao trabalho do teólogo, feitas dois meses antes da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano e do Caribe, não podem ser entendidas como recados contra o jeito latino-americano de viver a fé católica.

“Estas coisas fazem parte de uma história. Não se quis reservar a data da publicação para antes da Conferência”, disse. “A igreja continua funcionando”, disse Dom Cláudio, lembrando que o processo contra a investigação contra o teólogo já ocorrem desde 2001.

Por outro lado, o cardeal afirmou que a atenção de Bento XVI está cada vez mais voltada para a América Latina. “O papa sabe a importância do continente, que se considerarmos também a América do Norte reúne mais da metade dos católicos do mundo”, afirmou.

Fonte: G1