A decisão do reverendo Samuel Kobia de não buscar a reeleição para um segundo mandato como secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) surpreendeu o Comitê Central do organismo ecumênico, reunido em Genebra de 13 a 20 de fevereiro.

O moderador do Comitê Central, pastor Walter Altmann, afirmou que a decisão de Kobia, baseada em razões pessoais, foi aceita com pesar. Altmann admitiu que a decisão foi uma surpresa e que ela obrigou o Comitê a enfrentar uma situação inédita.

“Na qualidade de moderador do Comitê Central respeito as decisões, tanto do secretário-geral como do Comitê, e de forma alguma especularei sobre as mesmas”, frisou.

Na quinta-feira, 14, Kobia figurava como candidato à reeleição. Em coletiva de imprensa, declinou discutir sobre suas possibilidades a respeito, assinalando que era “um tema em progresso que seria discutido mais adiante pelo Comitê Central”.

Nessa data já eram conhecidas as críticas de sua gestão à frente do Conselho por um dos membros do Comitê Central, o bispo da Igreja Evangélica Alemã, Martin Hermann Hein.

Em entrevista à agência alemã protestante EPD (Evangelische Pressedienst), Hein criticou a falta de habilidade do CMI em articular visões e perspectivas comunicáveis. Também considerava excessiva a quantidade de viagens do secretário-geral do CMI ao redor do mundo.

A agência também informou que o CMI tinha removido de seu site oficial na internet a referência ao doutorado que Kobia obteve da Universidade Fairfax, nos Estados Unidos.
Kobia cursou o doutorado nesta universidade de 2000 a 2003, obtendo o título de doutor em 2004. No entanto, a Universidade Fairfax não estava credenciada para emitir títulos de doutorado, algo que Kobia descobriu somente no final do ano passado.

Pastor metodista queniano, Kobia foi eleito secretário-geral do CMI em agosto de 2003. Foi o primeiro africano escolhido para essa posição, que assumiu efetivamente no dia 1 de janeiro de 2004, por um período de cinco anos.

Ao conhecer a decisão de Kobia, o Comitê Central designou comissão de busca, que terá a responsabilidade de nomear candidatos ou candidatas à secretaria geral. A eleição do novo secretário ou secretária-geral do CMI ocorrerá na próxima reunião do Comitê Central, agendada para setembro de 2009.

Em setembro deste ano, o Comitê designará um secretário-geral interino. Espera-se que o novo secretário-geral assuma suas funções no final do próximo ano. “O Dr. Kobia tem todo o nosso apoio para desempenhar suas tarefas até o final do seu mandato”, sublinhou Altmann.

Fonte: ALC