A Igreja Renascer declarou guerra contra a Prefeitura de São Paulo. Ontem, durante o culto das 15h, no clube Homs, os fiéis foram convocados a informar à prefeitura locais que estejam funcionando sem alvará. É um tipo de retaliação contra as multas que vêm sendo aplicadas pela prefeitura a templos da igreja que não têm alvará.

“Entrem amanhã [hoje] em qualquer estabelecimento e vejam se tem alvará na parede. Se não tiver, denunciem. A prefeitura terá um milhão de denúncias para fiscalizar. Depois, liguem todos os dias para saber que medidas foram adotadas”, disse o bispo José Bruno, que também é deputado estadual pelo DEM, mesmo partido do prefeito Gilberto Kassab.

Para justificar o discurso, ele disse que as subprefeituras não estão fiscalizando, mas travando um campanha pelo fechamento das igrejas Renascer. “Gostaria de saber se algum outro estabelecimento da avenida Paulista foi fiscalizado hoje [ontem], ou foi só o clube Homs?”

A pergunta estava relacionada ao fato de o clube ter sido multado quatro vezes, por fala de alvará e, por isso, não poderia receber cultos.

O deputado também enviou recado direto ao prefeito. “Kassab pensa que pode ter nosso apoio e depois nos perseguir? É tempo de acordarmos. Se é para ter cruzada para limpar a cidade, que seja para todos”, disse.

Procurado pela reportagem ontem à tarde, Kassab não se manifestou.
No culto das 17h, ao vivo pela TV, a bispa Sônia Hernandes, presa nos EUA por sonegação, atacou a imprensa. “Há pessoas, sem o mínimo de escrúpulos, que só têm como objetivo aumentar o ibope ou vender jornal.”

Fonte: Folha de São Paulo