Nada de Lex Luthor, Coringa ou Doutor Silvana. O vilão de dois álbuns de histórias em quadrinhos lançados pela editora Devir é Deus, o próprio. Com os poderes da onipotência, onipresença e onisciência, o Todo-Poderoso enfrenta uma espécie versão barra-pesada e politizada da Liga da Justiça em “The Authority-Sob Nova Direção” (182 págs.) e um pastor renegado em “Preacher-A caminho do Texas” (200 págs.).

Em “The Authority”, Deus surge num contexto de ficção científica, como um gigantesco alienígena em formato de pirâmide responsável pela criação do Sistema Solar. Já nas histórias de “Preacher”, o vilão é mesmo o Deus cristão tradicional.

Super-heróis diferentes

Criado em 1999 pela dupla britânica Warren Ellis e Bryan Hitch para a editora Wildstorm, “The Authority” causou sensação ao mostrar uma história de super-heróis que carregava nas tintas da violência e da política.

Cínicos e brutais, os sete super-heróis do grupo Authority seguem uma cartilha bem diferente da correção política dos seus colegas de “Liga da Justiça”, “X-Men” e cia. Além de praguejar, usar drogas e fazer sexo, os protagonistas não se limitam a enfrentar cientistas loucos ou ETs assassinos. Os heróis preferem combater vilões muito mais próximos, como ditadores do Sudeste Asiático ou o governo norte-americano. Em vez de proteger a Terra, eles querem modificá-la.

A revista também causou polêmica ao trazer o primeiro casal assumido de super-heróis gays: Apolo e Meia-Noite, espécie de versão cor-de-rosa de Super-Homem e Batman. Outro personagem, o Doutor, é um mago que usa as drogas para entrar em contato com os espíritos de xamãs, que incluem Einstein, Buda e Cristo.

O Authority joga pesado. Numa queda-de-braço com o governo americano, ameaça “pôr no ar a agenda de telefones de todas as prostitutas de Washington”. Quando Apolo é violentado por um vilão, Meia-Noite se vinga sodomizando o maníaco sexual com uma britadeira.

“Sob Nova Direção” é o segundo volume encadernado com as histórias da grupo lançado pela Devir, e reúne os números 9 a 16 da edição americana. O primeiro arco de histórias do álbum, “Trevas Cósmicas”, foi o último feito pela dupla original Ellis e Millar. Além da violência e do humor, os roteiros de Ellis enfatizam conceitos bizarros de “science fiction” –como balsas espaciais vivas e universos-bebês enjaulados– e as batalhas épicas, perfeitas para o traço realista e grandioso de Hitch, que adora fazer artes majestosas em quadros de página inteira.

No arco de despedida dos seus criadores, o Authority enfrenta uma antiga criatura alienígena que é “a coisa mais próxima do conceito de Deus que este universo já viu”. Bilhões de anos atrás, explica o Doutor, Deus criou a Terra como seu retiro de férias, mas descobriu, ao voltar de um passeio pelo Universo, que o planetinha agora estava coberto pela humanidade, “essa irritante infecção de seis bilhões de organismos”. Para livrar a Terra de ser desinfetada, o Authority precisa “achar um jeito de matar Deus”, invadindo as próprias entranhas da divindade.

Em busca de Deus

Observados por garçonetes melancólicas e pelos vidros sujos com catchup de um café perdido no interior dos Estados Unidos, três pessoas conversam. Não vemos direito seus rostos, mas percebemos que estão falando de Deus e sobre como encontrá-lo. Uma mulher diz: “Pelo que eu sei, tem dois locais perfeitos para se procurar Deus: na igreja ou no fundo de uma garrafa”. O homem diante dela responde: “Então, talvez eu deva procurar uma loja de bebidas… pois uma coisa eu digo: numa igreja é que Ele não está” –no final da frase, um close, e percebemos que a fala vem de um pastor.

O pastor é Jesse Custer, e a seqüência é a primeira página de “Precher”, uma saga fechada –com começo, meio e fim, algo incomum nos quadrinhos americanos– de 75 números que conta a história da busca de Custer em sua busca por Deus. Literalmente.

Após se fundir a uma criatura super-poderosa, nascida do cruzamento entre um anjo e um demônio, o pastor Custer confronta os paus-mandados do Paraíso a respeito do Criador e descobre que Ele desistiu. Deus abandonou sua criação e se escondeu em algum lugar dos Estados Unidos.

A partir daí, a história segue em clima de “road movie”, quando Custer passa a percorrer os EUA atrás do Todo-Poderoso. “Eu estou à procura de Deus porque concluí que ele abandonou sua criação. (…) Quero confrontá-lo e ouvir o que tem a dizer sobre essa acusação”, afirma Custer.

Na sua busca, Custer é acompanhada pela namorada, Tulip, pelo amigo Cassidy –um vampiro irlandês que prefere beber cerveja a sangue– e pelo fantasma de John Wayne, que atua como uma espécie de conselheiro de Custer.

A peregrinação de Custer freqüentemente mostra a América pelo que ela tem de mais estúpido. Ennis não poupa ninguém. A cultura teen é representada pelo adolescente grunge que atira no próprio rosto para imitar o gesto de Kurt Cobain, mas sobrevive com um buraco em forma de ânus no rosto, tornando-se o Cara-de-Cu (Arseface); descoberto pela MTV, vira um astro pop. O Sul do país aparece com seus caipiras que transam com galinhas e se casam com as irmãs, e Nova York, com seus psicopatas que guardam cadáveres na geladeira e policiais durões homofóbicos que secretamente curtem orgias gays sadomasô.

Tudo passando pelo traço do britânico Steve Dillon, que se revelou o parceira ideal para o textos de Ennis, seja pela sua habilidade em retratar expressões e fisionomias–imprescindível para um autor que se destaca pelos diálogos irônicos e afiados, à la Quentin Tarantino–, seja por seu talento natural para desenhar pessoas deformadas e mandíbulas arrancadas.

Cinema

Desde que foi lançado, “Preacher” despertou interesse para adaptações cinematográficas. O ator James Marsden (o herói mauricinho Ciclope, da trilogia “X-Men”) tentou emplacar na HBO um projeto para encarnar Jesse Custer em um filme ou numa série de TV, mas a idéia nunca saiu do gibi. Não deve ser fácil convencer os produtores a adaptar uma história que mostra Deus como o maior dos vilões.

Fonte: Folha Online