Nós devemos orar pelos cristãos perseguidos todos e todos os dias? É claro! Eles precisam das nossas ofertas de orações uma vez que muitos estão na linha de fogo da perseguição pela sua fé.

Mas há um único dia a cada ano – o segundo domingo de novembro na maioria dos países – o qual tem sido designado como o Dia Internacional de Oração pela Igreja Perseguida.

E neste dia – o domingo de 11 de novembro desse ano – milhões de cristãos e milhares de igrejas ao redor do mundo levantarão nossos irmãos e irmãs em oração.

Entre os crentes mais severamente perseguidos no mundo estão os ex-muçulmanos (MBB, sigla em inglês). Eles eram seguidores do islamismo que vieram a Cristo.

Eles são geralmente rejeitados por suas famílias e afastados de suas comunidades locais, proibidos de compartilhar sua fé, ameaçados, espancados e até mesmo mortos.

Enquanto alguns países islâmicos ao redor do mundo dizem permitir a liberdade aos crentes de todas as religiões a praticarem sua fé, a realidade dos grupos cristãos isolados e individuais é muito diferente. Milhares de ex-muçulmanos sofrem perseguição diariamente.

A Portas Abertas tem trabalhado entre os cristãos oprimidos por vários anos – encorajando, equipando, fortalecendo e auxiliando-os… Fazendo a diferença em suas vidas, sustentada pela oração e contribuição de irmãos em diversos países.

O caso de Adilah

Uma mulher como “Adilah” (nome alterado por questões de segurança), que se converteu do islamismo para seguir Jesus, tem escolhido viver uma vida de fidelidade e obediência à Deus.

“Eu estou com medo”, disse Adilah. “Se minha família descobrir que eu me converti do islamismo para seguir Jesus, ela irá me desligar completamente. E meu pai poderia me matar, o que é considerado em nossa cultura um assassinato de honra”.

Adilah, uma jovem da Malásia, sabe que ela colocou sua vida em risco se convertendo do islamismo para o cristianismo.

Mas para ela não tem como voltar. “Eu agora encontrei a verdade”, ela diz, “e eu seguirei a Cristo, ainda mesmo que isso signifique que eu seja morta pela minha fé”.

A Malásia, terra natal de Adilah, não é o único lugar onde ex-muçulmanos vivem em grande perigo e constante temor.

Realidade de muitos países

Na Arábia Saudita, muçulmanos que se convertem ao cristianismo podem enfrentar a morte. No Paquistão, os cristãos são seqüestrados, espancados ou mortos; e mulheres cristãs são algumas vezes violentadas ou forçadas a se casar com homens muçulmanos.

Em países como o Irã, Uzbequistão, Indonésia, e Argélia – onde muçulmanos representam a grande maioria da população – cristãos também temem por suas vidas todos os dias.

“Eu era um muçulmano muito devoto, e tudo o que me foi ensinado foi odiar” , disse “Abdul” (nome alterado por questões de segurança), um muçulmano convertido ao cristianismo no Oriente Médio. “Foi-me ensinado a odiar aqueles que não adoram Alá, especialmente cristãos e judeus”.

O Amor que excede as expectativas

“Mas num momento vulnerável da minha vida, quando eu comecei a questionar as coisas, duas famílias se achegaram a mim e me mostraram um amor que eu jamais havia presenciado antes. Aquele foi um amor que excedeu de longe minhas expectativas”.

Abdul foi além em sua explicação: “Eu descobri que eram cristãos, eles não tentaram me evangelizar, mas me deram uma cópia da Bíblia. Foi então que eu comecei a pesquisar sobre esse Jesus que eles diziam ser o Filho de Deus – Aquele quem eles diziam ter dado tal paz e alegria… Paz e alegria como eu nunca havia visto antes. Não foi muito depois disso que me voltei para Jesus e o aceitei como meu Salvador”.

Os ex-muçulmanos são usados poderosamente por Deus para alcançar seus vizinhos com o amor de Deus.

Pontos de oração:

– Ore pelos ex-muçulmanos como Adilah e Abdul que se converteram do islamismo para seguir a Cristo. Ore para que eles tenham coragem para permanecer firmes diante da perseguição.

– Ore para que os ex-muçulmanos continuem sendo usados por Deus para guiar muitos mais muçulmanos a Cristo como seu Senhor e Salvador.

– Ore para que Deus continue dando sabedoria e proteção aos trabalhadores cristãos nos países dominados pelo islã e também para que eles procurem encorajar e fortalecer os crentes que estão sob intensa perseguição.

Os ex-muçulmanos não pedem para que oremos para que os sofrimentos de ser cristão no mundo muçulmano sejam removidos, mas para que Deus conceda oportunidades para compartilharem o Evangelho.

Apesar do levantamento do islamismo radical em alguns países, existem mais notícias de cristãos convertidos do islamismo do que jamais se ouviu.

Fonte: Portas Abertas