O funcionário da Sociedade Bíblica Palestina em Gaza, Rami Ayyad, seqüestrado no sábado, 6, foi encontrado morto, informou o assessora de imprensa da Sociedade Bíblica da Espanha (SBE), Lola Calvo.

“No domingo pela manhã se confirmou a terrível notícia de que Rami tinha sido assassinado pelos seqüestradores”, diz a nota da SBE. Não se sabe ainda a identidade do grupo que perpetrou o assassinato, “mas mataram-no por ser cristão”, disse a assessora.

Rami pertencia à Igreja Batista e integrava a equipe da Sociedade Bíblica que trabalha em Gaza. Ayyad era casado com Pauline e tinha dois filhos.

O diário La Razón recordou que, há pouco tempo, a Sociedade Bíblica em Gaza tinha sido atacada com um artefato explosivo, sem perdas humanas. “A explosão que fez saltar pelos ares, há seis meses, a livraria cristã, foi só um aviso. Desde então, constantes ameaças de morte, acusando-a de fazer proselitismo cristão, tornaram-se rotina diária para Rami Ayyad, diretor da única livraria cristã de Gaza”.

No sábado, ao meio dia, um grupo de homens encapuzados seqüestrou Ayyad em uma rua não muito longe de sua casa. O corpo foi encontrado, ontem, com sinais visíveis de violência e tiros, num roçado não muito longe do bairro de Zeitun.

Os três mil cristãos que residem na faixa de Gaza estão aterrorizados com o assassinato de Ayyad. A Sociedade Bíblica pede as orações dos cristãos a favor dos crentes que habitam a Cisjordânia, para que o Senhor preserve suas vidas e também a fé.

Fonte: ALC