O ministro do Vaticano para as relações inter-religiosas, cardeal Walter Kasper, disse que o processo de divórcio do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, não pode se transformar em um “espetáculo midiático”.

As críticas de Kasper, em entrevista ao jornal La Stampa, surgiram após o comparecimento de Berlusconi ontem à noite a um programa de TV, no qual rebateu as acusações de sua esposa, Veronica Lario, que optou nos últimos dias pela separação.

“Neste caso (Berlusconi-Lario) teria sido melhor que os dois cônjuges dessem mais importncia à privacidade”, afirmou o cardeal, que acrescentou que “os litígios públicos para se separar são um sofrimento suplementar e um mau exemplo, especialmente para os jovens”.

Acrescentou que “a seriedade e a sobriedade deveriam ser a unidade de medida fundamental para todos, mas principalmente para um chefe de governo”.

Silvio Berlusconi, 72 anos, retornou ontem de sua residência em Milão, onde não conseguiu convencer Veronica Lario a desistir do divórcio, e em um programa da emissora de TV RAI1 pediu que ela “admita seus erros”, porque “caiu em uma armadilha”.

O premie italiano alegou que não se envolve com mulheres mais jovens, e reafirmou que é vítima de ataques da “imprensa de esquerda”, de onde partem todas as “mentiras”.

Verónica Lario, de 53 anos, decidiu pedir o divórcio depois da polêmica gerada com a decisão de Berlusconi de incluir jovens atrizes e modelos italianas nas listas de seu partido para as eleições europeias.

Além disso, Lario se mostrou incomodada com o que ela considerou como flertes do premiê em aparições em programas de TV ao lado de mulheres mais jovens.

Segundo a imprensa italiana, a mulher de Berlusconi não assistiu a suas justificativas no programa de TV de ontem. A advogada de Lario, Maria Cristina Morelli, assegurou que ela quer trabalhar de forma serena “em harmonia” e com a “máxima correção” no caso do divórcio.

Fonte: EFE