O cardeal e prefeito da Congregação para o Clero no Vaticano, dom Cláudio Hummes, disse na sexta-feira, em Porto Alegre, que a corrupção é um problema muito sério no Brasil, mas que a descoberta de esquemas e a prisão de envolvidos “é um bom sinal”.

“Este é um problema que feriu o povo brasileiro. A corrupção é uma doença muito grave, mas é verdade que muita gente foi presa ou está sendo processada”, afirmou.

O cardeal disse que o Brasil enfrenta um momento bom economicamente, o que levou à redução da miséria e da mortalidade infantil.

“Fiquei muito feliz de ler as últimas estatísticas que mostram que a pobreza e a mortalidade infantil, um dos grandes sinais de subdesenvolvimento e abandono social, reduziram pela metade em 15 anos”, afirmou.

Dom Cláudio minimizou as alterações feitas pelo Vaticano no documento de Aparecida, elaborado durante a Celam (Conferência do Episcopado da América Latina), em maio.

Segundo ele, todos os textos passam por revisão porque são escritos “a muitas mãos”.

Dom Cláudio afirmou que os consultores jurídicos do Vaticano não fizeram nenhuma modificação.

“Eles apenas decidiram qual texto valeria. Houve dúvidas sobre a aprovação, porque não havia o número necessário de votos, mas não houve alterações substanciais no documento”, afirmou.

Em Porto Alegre para participar do 1º Fórum da Igreja Católica no Rio Grande do Sul, dom Cláudio pediu aos padres que busquem mais fiéis, especialmente os católicos que se afastaram da religião.

Ele afirmou que o grande desafio da igreja, hoje, é não perder fiéis na Europa e na América Latina. “Foi na Europa que se difundiu o cristianismo e a América Latina é uma região muito católica e seria um desastre irreparável simbolicamente”, disse o cardeal.

Fonte: Folha Online