Pela primeira vez, um documento da Igreja Católica pede a beatificação de dom Helder Camara, ex-arcebispo de Olinda e Recife. A reivindicação consta no documento final do Encontro Nacional de Presbíteros, divulgado na última terça-feira, em Indaiatuba, município do estado de São Paulo, e deverá ser encaminhada à Congregação para a Causa dos Santos, no Vaticano.

O encontro foi promovido pela Comissão Nacional de Presbíteros (CNP), que é vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Os padres afirmam que o encaminhamento dos processos de beatificação e canonização de padres e bispos brasileiros seriam de grande estímulo para a vida e o ministério presbiteral. Além de citar dom Helder, o documento faz referências a padre Cícero Romão Batista, cujos feitos atraem milhares de romeiros a Juazeiro do Norte (Ceará), e dom Luciano Mendes de Almeida, ex-presidente da CNBB. Três religiosos que atuaram em Pernambuco – dom Vital, frei Damião e dom Expedito Lopes – já tiveram os processos de beatificaçãoabertos pela Santa Sé.

O nome de dom Helder foi ratificado pelos mais de 400 padres, que foram escolhidos em 269 dioceses brasileiras para representar 18.685 sacerdotes. Da CNBB – Regional Nordeste 2, no qual está inserido Pernambuco, participaram cerca de 30 padres. O pedido vem reforçar o que vem sendo comentado nos bastidores da Igreja. A abertura do processo de beatificação do ex-arcebispo chegou a ser especulada, este ano, em um dos encontros da comissão que prepara o Ano Rumo ao Centenário de Dom Helder. Mas os participantes, incluindo bispos, consideraram que o momento seria inoportuno, deixando a discussão para o próximo ano.

“A reivindicação dos padres tem um significado especial, pois estamos vivendo, não sei por se falar no centenário, um despertar para as mensagens de dom Helder”, comentou a presidente do Instituto Dom Helder Camara (IDHeC), Lúcia Moreira. No entanto, segundo ela, mais importante que o processo de beatificação em si é que as pessoas procurem viver os idéias sonhadas pelo ex-arcebispo, como a justiça social. “Se a beatificação vier será bem aceita até porque santos não se enjeita, ao contrário, e muitos que viveram próximos de dom Helder já o consideram um santo”, argumentou. O IDHeC coordena hoje obras sociais deixadas pelo ex-arcebispo, centro de documentação e está à frente dos projetos para a publicação das obras completas do religioso e para a construção de um memorial, já iniciado.

Para o secretário da CNBB – Regional Nordeste 2, dom Genival Saraiva, a reivindicação do Encontro Nacional dos Presbíteros é expressiva. “É um pedido que vem do povo e reforça o que se sabe que ele (dom Helder,) viveu o sacerdócio em profunda comunhão com a Igreja e a serviço do povo”, considerou. Bispo de Palmares, dom Genival lembrou que o processo de beatificação começa na diocese e segue procedimentos canônicos específicos. Entre os procedimentos estão a montagem de um tribunal eclesiástico e levantamento histórico sobre o candidato a santo.

O caminho para a beatificação e santidade, em resumo, pode ser longo. Ainda mais agora, pois o papa Bento XVI recomendou maior rigor nos procedimentos. Isso porque existe atualmente uma sobrecarga de processos de beatificação e canonização no Vaticano. São 2,2 processos pendentes. Só o papa João Paulo II ordenou 1.338 beatificações e 482 canonizações, número maior do que todos os papas realizaram ao longo da história.

Fonte: Pernambuco.com