O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou nesta quinta-feira sua intenção de acabar com a lei que proíbe a atuação política de igrejas isentas de impostos. O fim da regra, em vigor desde 1954, significaria uma grande vitória para a direita religiosa americana, que o apoiou durante a campanha.

[img align=left width=300]http://portalwhiz.com/wp-content/uploads/2017/01/trump.jpg[/img]“Vou me livrar e destruir totalmente a Emenda Johnson, permitindo que nossos representantes de fé falem livremente e sem medo de retaliação”, afirmou o presidente, durante organizado pela fundação cristã The Fellowship. Segundo Trump, “a liberdade religiosa é um direito sagrado, mas que está sob séria ameaça”. Quando criada, porém, a lei foi vista como mais um avanço em prol da separação entre Igreja e Estado.

Para revogar a emenda, Trump precisará de aprovação do Congresso, de maioria republicana. De acordo com a regra atual, certas organizações isentas de impostos, como as igrejas, não podem fazer campanha por candidatos ou apoia-los abertamente. Do contrário, correm o risco de perder o benefício.

Cercado de líderes religiosos, o magnata voltou a defender seu decreto que proíbe a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana nos Estados Unidos. “Terrorismo é uma ameaça fundamental à liberdade religiosa. Deve ser parado e será parado”, declarou Trump.

[b]Fonte: Veja.com[/b]