As autoridades no Hanói, Vietnã, responderam a meses de vigílias de oração e manifestações católicas sobre terrenos disputados, destruindo a antiga residência do embaixador papal no centro de Hanói.

Ao avançar com máquinas sobre o lugar que uma vez serviu de embaixada e residência do Vaticano no dia 19 de setembro, perto da Catedral de São José, o governo quebrou a promessa feita em fevereiro a líderes católicos de negociar um acordo sobre a propriedade.

A destruição do edifício, considerado sagrado pelos católicos, foi o último golpe na longa luta dos cristãos para conseguir que o governo devolvesse propriedades confiscadas da igreja. Líderes religiosos católicos e protestantes consideraram que a resposta do governo às manifestações pacíficas foi um sério retrocesso para a liberdade religiosa.

Vigílias e orações contra a ocupação

No final do ano passado, os católicos começaram a realizar vigílias de oração do lado de fora da Embaixada do Vaticano há muito desocupada, sitiada pelo governo em meados dos anos 1950.

No dia 22 de setembro, a Agência de Notícias Vietnamita informou que a Igreja Católica havia cedido ao Estado a propriedade da Embaixada do Vaticano de Nha Chung em 1961, e que esta seria transformada em biblioteca e parque.

As vigílias diárias de oração realizadas pela manhã e à tarde começaram a atrair grandes multidões, especialmente aos sábados e domingos, quando milhares compareciam às missas na catedral. As autoridades do Vietnã, um país onde manifestações não são permitidas, ficaram seriamente preocupadas quando os avisos foram ignorados.

Em uma reunião com líderes católicos no final de fevereiro, o governo aceitou negociar um acordo com a condição de que tais líderes dessem fim às vigílias de oração. Em abril, o Arcebispo de Hanói, Ngo Quang Kiet, disse ao Compass que após concordarem com a formação de um comitê de trabalho conjunto, o governo não demonstrou sinceridade em construir alianças ou apaziguar as desavenças.

No final de agosto, um assessor do arcebispo disse ao Compass que as duas vigílias diárias de oração haviam recomeçado. Naquele momento, um total de 100 pessoas, aproximadamente, participava de cada encontro, mas a freqüência e a intensidade cresciam. Os líderes católicos não fizeram nenhum segredo de seu apelo à oração e reuniram pessoas como seus únicos instrumentos na luta contra o governo.

Nas últimas semanas, os Redentoristas de Thai Ha, também em Hanói, começaram igualmente a fazer vigílias de oração para recuperar algumas de suas grandes propriedades. Durante anos, parte da sua planta original de 60 mil m2 foi reduzida a menos de 2 mil m2, por causa de confiscos do governo.

De acordo com observadores, os católicos portaram-se com decência e ordem, caminhando, orando e cantando com reverência durante as suas vigílias. A resposta do governo, contudo, passou de acusações contra interferência no tráfego e perturbações noturnas da ordem pública a acusações de que os líderes católicos incitavam tumultos e infringiam leis religiosas.

Advertência aos líderes católicos

Essa semana, as autoridades entregaram um aviso por escrito ao arcebispo Kiet, alertando-o de uma “ação extrema”, caso não encerrasse as vigílias diárias de oração. Eles também emitiram um aviso a quatro padres de uma igreja em Hanói envolvida na disputa da propriedade. O arcebispo e os sacerdotes são acusados “de agitar a população” e de encorajar a prática de atividades religiosas ilegais.

As manifestações passaram de 7 mil para 10 mil pessoas, incluindo estudantes reunidos em Thai Ha, na noite de 24 de setembro. Supõe-se que essa tenha sido a maior manifestação pública desde a unificação Comunista do Vietnã há 33 anos.

À tarde, centenas de policiais tentaram controlar uma multidão de católicos, enfurecida com a remoção de uma estátua de Maria na área da Embaixada do Vaticano. Segundo fontes, no dia seguinte, as autoridades recrutaram grupos que incluíam membros da liga juvenil comunista e os conduziram até o local, onde atacaram os manifestantes católicos fora da residência do arcebispo.

Grupos similares destruíram propriedades, incluindo itens sagrados em Thai Ha, no mesmo dia.

Fonte: Portas Abertas