7º colocado na Classificação de países por perseguição, pouco se sabia sobre a vida de cristãos no Mali, localizado na África, até que, em março de 2012, ocorreu um golpe militar de Estado. O país vive hoje um momento de tensões e mudanças políticas, que reflete diretamente na perseguição à Igreja.

No início do conflito, o norte do território – uma área predominantemente cristã – foi dominado por milícias islâmicas e, portanto, todas as igrejas dessa região foram destruídas e milhares de cristãos tiveram de fugir para o sul ou para países vizinhos.

Antes da crise, o Mali, apesar de contar com mais de 90% de dominação muçulmana, foi elogiado por sua tolerância religiosa e pela manutenção de uma sociedade laica, em que os cristãos podiam ter liberdade e influência sobre a esfera política. A maioria dos muçulmanos do Mali tinha visões moderadas, não sendo a favor da declaração de um Estado islâmico e da implementação da Sharia (lei islâmica).

Líderes da Igreja relataram à Portas Abertas sobre um forte movimento ocorrido a partir de Muammar Kadafi para criminalizar os cristãos, que não obteve sucesso. Adeptos do cristianismo tiveram a oportunidade de influenciar o governo através de um Conselho de Sábios, que incluía cristãos. O objetivo do Conselho era assessorar o governo em determinadas questões.
Mas, enquanto os cristãos usufruem a possibilidade de atuação em nível oficial, a influência extremista wahhabista tem crescido no nível das bases: o islamismo radical tem expandido sua influência por meio de doações e pelo patrocínio de escolas.

Muitos dos cristãos do norte, entrevistados pela Portas Abertas, mencionaram a perseguição. Embora, a perseguição envolva principalmente ex-muçulmanos convertidos ao cristianismo, eles estão cientes de que a sociedade está cada vez mais hostil aos cristãos tradicionais. Os cristãos do sul, por sua vez, estavam um pouco alheios à mudança na atmosfera religiosa, talvez acalentados pela liberdade que têm gozado até o momento.

É importante que cristãos malianos permaneçam vigilantes e atentos aos acontecimentos locais, aproveitando cada oportunidade que têm de influenciar as esferas sociopolíticas do país. Ore para que um candidato moderado, que não esteja disposto a desistir de pontos de vista mais moderados (em troca de assistência para o desenvolvimento socioeconômico), vença as eleições.

[b]Fonte: Africa Services via Portas Abertas Brasil[/b]