A rainha Elizabeth II disse estar preocupada com a polêmica gerada pelas declarações do arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, de que é inevitável a adoção da sharia, a lei muçulmana, na Grã-Bretanha.

Segundo publicou hoje o jornal inglês Daily Telegraph, a rainha teme que a polêmica coloque em risco a autoridade do arcebispo e prejudique a imagem da Igreja Anglicana.

De acordo com fontes reais, Elizabeth II decidiu divulgar sua opinião sobre o comentário de Williams, dizendo que as declarações do arcebispo “foram pouco inteligentes”.

Como líder suprema da Igreja Anglicana, a rainha se sentiu “muito afetada” pela polêmica e está preocupada com o futuro da igreja, que enfrenta um cisma religioso devido a temas como o aborto e o homossexualismo.

A rainha, que nomeou Williams como arcebispo de Canterbury por recomendação do ex-premier britânico Tony Blair, “leva muito a sério seu papel de governante suprema” da Igreja.

“A rainha está preocupada, sabe que a Igreja atravessa um momento difícil em sua história e acredita que a controvérsia possa ameaçar a autoridade da Igreja da Inglaterra”, declarou uma fonte real ao Telegraph.

A publicação inglesa disse ter recebido milhares de cartas de seus leitores criticando as declarações do arcebispo, feitas na última quinta-feira em entrevista à rádio 4 da BBC.

Na segunda-feira passada, Williams negou-se a pedir desculpas por seus comentários, depois de ser convocado a dar explicações perante o Sínodo Geral Anglicano.

As declarações do arcebispo tiveram grande repercussão política e religiosa, por parte de membros da Igreja Anglicana, do governo britânico e de grupos muçulmanos.

Fonte: Rádio Vaticano