O juiz indeferiu o caso contra os seis voluntários de saúde que trabalhavam no nordeste de Dhaka, capital de Bangladesh. Eles foram acusados em março de “ferir os sentimentos religiosos” na área em que os muçulmanos eram contrários à distribuição de literatura cristã para as pessoas atendidas.

Os seis cristãos estavam trabalhando na área oferecendo tratamento grátis para os moradores pobres em Damurhuda, distrito de Chuadanga, e foram presos em 24 de março e soltos três dias depois, após pagamento da fiança.

Mannan Mridha, pastor do movimento Caminho de Paz (com 490 igrejas domésticas no nordeste de Bangladesh) que organiza os atendimentos de saúde na região disse para um médico voluntário japonês oferecer panfletos cristãos e Bíblias aos pacientes; o médico disse aos pacientes que eles não eram obrigados a pegá-los, disse Mridah a Compass.

Alguns muçulmanos despertaram os moradores da região contra o médico, e eles furiosos foram à polícia pedindo a prisão de seis cristãos voluntários que trabalhavam com ele com base na seção 54 do código penal do país. A polícia indiciou os seis cristãos nativos, menos o médico estrangeiro, por ferir os sentimentos religiosos (seção 295-A do código penal de Bangladesh.)

“A perseguição é uma lembrança sombria de como são vulneráveis os cristãos em uma sociedade majoritariamente muçulmana, mesmo que o direito de liberdade de expressão e pensamento seja permitido em nossas leis,” diz Mridha.

Segundo a lei pela qual foram presos, os suspeitos deveriam ser submetidos ao processo 15 dias após o início da investigação, mas como eles falharam nessa parte, os cristãos poderiam ser ouvidos no dia 10 de abril, diz seu advogado Mohammad Aksijul, conhecido como Ratan.

O juiz indeferiu todas as queixas, pois, após questionar o policial que fez as prisões, não ficou convencido sobre o que realmente aconteceu, e por isso o caso dos cristãos foi arquivado.

O policial Mohammad Jobaer disse que “os cristãos estavam distribuindo Bíblias secretamente, e que os moradores só aceitaram por educação. Por isso, a população se irritou muito com o trabalho médico feito pelo doutor e por seus associados.”

O advogado Ratan disse que Bangladesh é um país antigo, e por isso é permitido pregar outras religiões com liberdade.

“Isso é permitido em nossa constituição,” diz ele. “Então, prender os cristãos por distribuir Bíblias e panfletos é entrar em conflito com o que a lei diz.”

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]