Uma carta inédita de Albert Einstein datada de 1954, ano anterior ao de sua morte, traz pela primeira vez críticas contundentes do físico à religião. No manuscrito dirigido a seu amigo filósofo Eric Gutkind, que será leiloada hoje em Londres, o autor das teorias da relatividade retrata as práticas religiosas como “infantis”.

“A palavra Deus é para mim nada mais do que expressão e produto da fraqueza humana”, escreveu Einstein, para quem a Bíblia seria “uma coleção de lendas honráveis, ainda que primitivas”.

O conteúdo da carta difere de declarações anteriores de Einstein, que, segundo historiadores, nunca havia deixado muito clara a sua visão sobre a religião. Nessa seara, o físico era mais lembrado pela frase “A ciência sem religião é manca, a religião sem a ciência é cega”.

Na carta a Gutkind, porém, Einstein classifica a crença em Deus como “produto da fraqueza humana”, e não poupa nem a religião do povo ao qual pertencia. “A religião judaica, como todas as outras religiões, é uma encarnação das superstições mais infantis.” Einstein, um sionista que teve papel importante na criação do Estado de Israel, diz a Gutkind que não acredita que os judeus sejam um povo “escolhido”.

A carta traz um certo tom de descrença na humanidade e a noção de que o poder corrompe as pessoas. Os judeus, diz, só estariam “protegidos dos piores cânceres por lhes faltar poder”.

A casa de leilões Bloomsbury, onde o manuscrito original será vendido, diz estar “100% certa” da autenticidade do documento e que espera conseguir por ele um preço entre US$ 12 mil e US$ 16 mil. O vendedor é um colecionador particular.

Historiadores não costumam retratar Einstein com ateu, mas a imagem pode mudar com a publicação da carta. Sua visão sobre Deus era tida apenas como não-clerical (“Não creio no Deus da teologia que recompensa o bem e pune o mal”).

Fonte: Folha Online