Papa Francisco
Papa Francisco

A Colômbia é um país de católicos. Dos 49 milhões de habitantes, 45,3 milhões dizem que o são, de acordo com o Anuário Pontifício e de Estatísticas da Igreja. Os fieis estão em festa esta semana com a visita do papa Francisco à Colômbia, anunciada em julho de 2016 e confirmada em março. Haverá ponto facultativo e as cidades que o receberão se preparam há várias semanas. Em Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena as avenidas por onde o Papamóvel passará foram reformadas e foram montadas tribunas, telões e as plataformas de onde Francisco falará.

O último Pontífice que esteve no país foi João Paulo II, em 1986. Um ano difícil para os colombianos, que acabavam de sair de duas tragédias. Em 1985, o centro do poder Judiciário, em pleno no coração da Colômbia, sangrou sob os olhos de todos. A guerrilha do M-19 tomou o Palácio da Justiça e, ao vivo, pela televisão, os colombianos testemunharam a retomada do lugar pela Polícia e pelo Exército. Houve mortos e desaparecidos. Naquele mesmo ano, uma avalanche produzida pela erupção do vulcão Nevado del Ruiz matou ao menos 20 mil pessoas. Da cidadezinha de Armero ficou uma dolorosa lembrança. A visita do papa João Paulo II a esse lugar foi um momento histórico no país.

O papa Francisco chega quando os colombianos tentam superar o capítulo de mais de 50 anos de guerra, enquanto enfrentam a desesperança provocada por cada escândalo de corrupção. Em meio da alegria que desperta entre os paroquianos e os discursos que falam da importância de sua presença no país para impulsionar a paz, alguns setores católicos rejeitam sua visita. O canal de televisão Teleamiga se dedicou nos últimos meses a transmitir mensagens contrárias. Por trás do protesto está José Galat, ex-candidato à presidência, reitor da Universidade Gran Colômbia e diretor da emissora. “O canal é católico, os que não são católicos são aqueles que negam a fé católica, isto é, os bispos que acompanham um Papa que nega as verdades da fé”, afirmou. A posição da Teleamiga provocou a reação do Episcopado Colombiano, que pediu aos fiéis para não assistirem esse canal sob o argumento de que não representa o ensinamento da Igreja Católica. Em uma carta, os mais altos representantes do catolicismo na Colômbia advertiram que o canal “fere seriamente a comunhão da Igreja”.

Galat lançou campanhas para se opor ao aborto e ao processo de paz com as FARC. Fez isso a partir da academia e da televisão. Seu protesto nas últimas semanas se concentrou no Papa. “Sua designação foi obra de uma máfia de cardeais. Supondo que sua origem seja pura e não tenha nenhuma mancha, ensinou coisas contrárias à fé da Igreja”, afirmou. A essas críticas uniu-se a voz daqueles que questionam a visita de Francisco pelos custos que representa. Os cálculos apontavam há alguns dias uma cifra próxima de 10,1 milhões de dólares (cerca de 31,53 milhões de reais) por toda a sua permanência no país.

Mas nenhuma queixa foi suficiente para conter a expectativa pela visita do Papa. Somente em Bogotá espera-se a chegada de 700.000 pessoas e um faturamento próximo de 30 milhões de dólares. De acordo com os especialistas, ativará o turismo religioso e dinamizará a economia. A transmissão das atividades do Pontífice na Colômbia será vista em oitenta países.

Fonte: El País