Os donativos encontrados com um empresário de Rio Negrinho devem ser devolvidos à prefeitura de Ilhota, no Vale do Itajaí. Todo o material, que havia sido doado aos atingidos pela enchente do ano passado em Santa Catarina, foi desviado e seria vendido.

Nesta quarta-feira, foram encontradas peças de roupas, pilhas de caixas de alimentos e colchões em um depósito particular de Ismael Evelson Ratzkob, 37 anos, que foi preso. A estimativa da polícia é que cerca de 300 mil peças tenham sido desviadas.

Procópio da Silveira Neto, delegado de Rio Negrinho responsável pelo inquérito, esteve em Ilhota na tarde desta terça-feira e ouviu o procurador-geral do município e a funcionária da prefeitura que assinou a liberação das roupas ao empresário Ismael, que permanece detido em Mafra.

Segundo o delegado, o empresário teria se passado por um pastor de uma igreja e os donativos seriam destinados à pessoas de sua comunidade.

O próximo passo da investigação será ouvir outras três pessoas que teriam participação no processo de liberação das doações. O delegado deve voltar a Ilhota na semana que vem para questionar os funcionários públicos que, supostamente, teriam envolvimento no caso.

A prefeitura de Ilhota abriu uma sindicância administrativa para apurar as responsabilidades, apontar os culpados e punir os funcionários públicos que estiveram envolvidos no esquema. O processo deve ser concluído em 20 dias.

Fonte: Jornal de Santa Catarina