A polícia apreendeu em São Bernardo do Campo, no ABC (SP), um microônibus ambulância suspeito de ter sido comprado no esquema de superfaturamento da máfia dos sanguessugas. O veículo estava em poder de membros da igreja Assembléia de Deus.

O veículo foi doado a partir de emenda ao Orçamento do ex-deputado federal Gilberto Nascimento (PMDB-SP).

O microônibus foi encontrado por policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) de São Bernardo do Campo na quarta-feira. O carro estava estacionado em um galpão de uma empresa de resíduos plásticos, na Rua Estados Unidos. Segundo o delegado Paulo Gilberto Negrão, do Garra, o dono da empresa guardava o veículo para o pastor Genício Severo dos Santos. O microônibus havia sido doado para o Movimento Alfa de Ação Comunitária, que seria ligado a igreja Assembléia de Deus.

– O local foi achado graças a uma denúncia anônima. Verificamos que havia um mandado de apreensão para o veículo feito pela Justiça Federal em Santos – afirmou o delegado.

De acordo com o delegado, a ambulância havia sido doada por meio de uma empresa laranja no Rio de Janeiro. O pastor Santos teria dito que a doação aconteceu graças ao deputado Gilberto Nascimento. O microônibus havia sido adaptado para abrigar um ambulatório na parte traseira e um consultório dentário na dianteira. O Garra acredita que os equipamentos nunca haviam sido utilizados.

A documentação do veículo não estava regularizada. Ele tinha sido registrado exclusivamente para o transporte de passageiros, quando deveria ter uma licença para o uso médico, segundo a polícia. O delegado Negrão afirmou que o veículo foi colocado à disposição da Justiça Federal e que a investigação será feita pela Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. Gilberto Nascimento negou irregularidade na compra da ambulância.

– O veículo foi doado a uma entidade assistencial de Santos e repassado, em regime de comodato, à Assembléia de Deus em São Bernardo. A unidade estava sendo utilizada no atendimento à população e parou há poucos dias, porque estava com licenciamento vencido – disse o ex-deputado, que foi envolvido no escândalo dos sanguessugas.

Segundo ele, a igreja também estava negociando a renovação do contrato de comodato.

– O veículo foi comprado por meio de uma emenda de 2003, com outras três unidades – acrescentou Nascimento.

A máfia dos sanguessugas foi descoberta pela Polícia Federal em meados de 2006. O escândalo envolvia deputados federais e senadores, acusados de apresentar emendas ao Orçamento da União para a compra de ambulâncias para prefeituras e entidades assistenciais. A compra de veículos por intermédio da empresa Planam era superfaturada e parte do dinheiro ficava com parlamentares envolvidos.

Fonte: Globo Online