O tráfico de pessoas, delito que cresce na América Latina, e o compromisso das igrejas diante da conseqüente degradação dos direitos humanos, será tema de debate de igrejas, em encontro agendado para os dia 2 a 4 de novembro, no ISEDET, em Buenos Aires.

Organizado pelo Fórum de Gênero do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI) e o Serviço Ecumênico de Apoio e Orientação a Migrantes e Refugiados (CAREF), com o apoio do Movimento Internacional contra todas as formas de Discriminação e Racismo (IMADR), o encontro pretende dar continuidade ao processo iniciado no ano passado, no I Encontro.

Na ocasião foi realizada uma primeira aproximação da temática a representantes e líderes de diferentes igrejas evangélicas protestantes da Argentina. As organizadoras esperam que este segundo encontro permita avançar na sensibilização sobre a problemática e em possíveis linhas de prevenção a partir do espaço institucional dos participantes.

O tráfico de pessoas na América Latina será abordada pelo Dr. Mario Yutzis, do IMADR. A bacharel Violeta Correa, do Instituto Nacional contra a Discriminação, a Xenofobia e o Racismo, dissertará sobre as ações possíveis a partir do âmbito governamental e das ONGs.
As oficinas planejadas para o encontro pretendem aproximar os participantes das ações concretas de trabalho em prevenção e assistência de situações de tráfico.

O I Encontro, também reunido em Buenos Aires, gerou uma declaração dos participantes na qual manifestaram preocupação frente à “naturalização” com que a sociedade observa as diversas manifestações da problemática do tráfico de pessoas, o que dificulta a possibilidade de dimensionar o sofrimento real das vítimas desses delitos e compreender integralmente a abrangência do problema.

Também propuseram a necessidade de que as igrejas se comprometam a sensibilizar os seus membros sobre a problemática e a fazer seu aporte neste sentido para a sociedade em seu conjunto.

Fonte: ALC