Mais de 30 organizações de defesa dos direitos humanos entregaram na segunda-feira na embaixada da Santa Sé no Cairo um documento para advertir que as declarações do Papa feitas no último dia 10 “reforçam o ódio religioso e o racismo”.

As 38 organizações, que representam quase todos os países árabes, entregaram o documento na embaixada no mesmo dia em que o Pontífice se reuniu com vários embaixadores muçulmanos em Roma, a fim de tentar resolver a polêmica gerada por suas declarações e esclarecer a postura da Igreja Católica em relação ao Islã.

Para os signatários, as declarações do Papa “são chocantes e podem arruinar os esforços feitos durante mais de 30 anos para cultivar o diálogo ecumênico e promover uma cultura de tolerância e paz”, afirmam hoje em comunicado à imprensa.

“É lamentável constatar que suas palavras vão contra todos os esforços feitos pela maioria dos países e das ONGs para erradicar o extremismo religioso e, assim, descartar as ameaças de um conflito de civilizações”, acrescenta o texto.

Os signatários comparam as palavras do atual Papa com as de seu antecessor João Paulo II, “cujos discursos e declarações foram sempre luzes que iluminavam o caminho da cultura da tolerância e dos direitos humanos”.

As organizações dizem “esperar que vosso papel neste contexto, dada vossa categoria espiritual, esteja à altura (do papel) de João Paulo II”.

Fonte: EFE