Uma escola no Vietnã central negou acesso a um menino da quinta série por ele ser cristão, de acordo com denúncia feita pelos pais em carta encaminhada à Comissão de Minorias Étnicas do país.

No dia 2 de julho, Tran Van Ha, diretor da escola primária pública de Ka Dang, na província de Quang, escreveu aos pais de Phong Hong Phong dizendo que o menino de etnia degar (ou montagnard) não podia prestar o exame de admissão porque o distrito escolar havia criado uma nova regra proibindo “estudantes que seguem uma religião.”

“O estudante Phong Hong Phong satisfaz todas as exigências para realizar o exame para entrar na escola secundária residencial para Minorias Étnicas de Dong, no distrito de Giang”, escreveu Tran Van Ha Ha ao pai da criança, também chamado Phong Hong Phong.

“Porém, depois das exigências previamente anunciadas, a escola secundária residencial para Minorias Étnicas de Dong anunciou que estudantes que seguissem uma religião não poderiam fazer o exame de admissão”, contou o pai.

Ele afirma ter ouvido: “Sendo assim, o estudante Phong Hong Phong não satisfaz a exigência para fazer o exame.”

Uma fonte no Vietnã que trouxe a denúncia ao Compass disse que, embora o Vietnã tenha demonstrado algum progresso em liberdade religiosa, “a minoria étnica cristã de estudantes cristãos ainda encontra uma discriminação oficial considerável.”

”A carta foi dirigida claramente aos cristãos”, disse a fonte. Estima-se que metade dos degar dos altiplanos centrais do Vietnã (500 mil) sejam protestantes e 200 mil sejam católicos.

Resgate de vidas

A tribo de Katu nesta região de Quang Vietnã praticava sacrifícios humanos até 1950 e vários Katu são agora cristãos.

Enquanto 80% da população de Vietnã não tem nenhuma religião, aproximadamente 9,3% são budistas, de acordo com a CIA Factbook Mundial, 6,7% são católicos e 5% protestantes.

Na carta do diretor, cuja cópia foi obtida pelo Compass, o aparentemente envergonhado Tran Van Ha pede aos pais “compreensão”, enquanto diz que a decisão esteve fora de seu controle.

“Não é a escola primária Ka Dang que está discriminando estudantes que seguem uma religião, mas esta é a política da escola secundária residencial para Minorias Étnicas de Dong “, diz o diretor.

O Vietnã esteve debaixo de pressão para melhorar a situação das minorias étnicas pobres nas regiões montanhosas ocidentais e do norte. Com a assistência estrangeira generosa que recebe, o Vietnã implementou várias escolas secundárias residenciais para estudantes minoritários étnicos nos altiplanos ocidentais.

Discriminação

Líderes cristãos degar reclamam há muito tempo que as crianças de cristãos são discriminadas e não têm acesso a escolas residenciais. Altamente desejáveis, estas escolas oferecem a única oportunidade de educação secundária para muitos estudantes, pois possuem recursos para uma boa instrução e fornecem pensão completa para os estudantes pobres.

“O calendário escolar estava prestes a começar”, disse a fonte cristã. “Ser um crente cristão exige que nossas crianças permaneçam ignorantes?”, questionou.

Violação de direitos

Líderes cristãos do Vietnã ressaltaram na carta enviada à Comissão de Minorias Étnicas que esta “política” contradiz outras leis. A discriminação baseada na religião é estritamente proibida na Constituição do Vietnã e em decretos regulamentos.

Ironicamente, alguns líderes cristãos no Vietnã expressaram condolências para o diretor da escola. Um deles disse: “Se o diretor Ha escreveu que a discriminação estava fora de sua competência, ele certamente terá grandes problemas.”

No dia 13 de junho, Tran Ha publicou um boletim para os estudantes da quinta série soletrando as exigências para prestar o exame de admissão.

O menino cristão tinha cumprido todas as exigências escritas e teve a permissão negada para prestar o exame. Quando o pai dele reclamou, recebeu a carta de explicação falando sobre a nova regra.
“Eu espero que vocês, os pais, encorajem seu filho a completar os estudos, embora ele não possa estudar na escola residencial”, escreveu o diretor.

Fonte: Portas Abertas