Inserida no contexto de crise que se abate sobre instituições de ensino superior particulares do país, a Escola Superior de Teologia (Faculdades EST) demitiu 14 docentes e reduziu pela metade o salário de professores aposentados e em 25% os demais, chegando a um corte de cerca de 30% na folha de pagamento de professores. Os cortes de salário passam a vigorar a partir de março.

Autorizada pela mantenedora, as Faculdades EST colocaram duas casas a venda. Não há recursos para investimento, o que, no passado, foi realizado com verbas do fundo de reserva. “Num país onde abrir igreja e formar conjunto musical dispensam formação acadêmica, a existência da EST é um milagre”, disse para a ALC o reitor da instituição, Oneide Bobsin.

Em correspondência dirigida à presidência e ao Conselho da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), também aos pastores sinodais, Bobsin e a vice-reitora, diácona Márcia Paixão, destacam as avaliações recebidas por órgãos federais do Ministério da Educação – numa escala de 1 a 7 o programa de pós-graduação em Teologia confirmou, pela terceira vez, a nota máxima, de padrão internacional – mas também apontam a difícil situação das contas.

Na medida em que foram se apropriando das finanças da instituição, depois de assumirem a direção em janeiro de 2007, os reitores perceberam um déficit crescente, que, no passado e para a sua cobertura, a administração recorreu ao fundo de reservas. O fundo agora está a zero.

Procurado pela ALC, o ex-reitor, pastor Lothar Carlos Hoch, disse que as suas duas administrações na reitoria, de 1999 a 2006, foram auditadas por empresa externa, indicada pela mantenedora. Bem por isso, não vai se manifestar publicamente a respeito, uma vez que os dados estão disponíveis na instituição.

Outro ponto assinalado pela direção é que nos últimos anos o corpo docente e de funcionários da EST manteve-se permanente, enquanto o número de estudantes decresceu, de modo especial no bacharelado em Teologia e nos cursos de pós-graduação.

Há cinco anos, mais de 60 jovens participaram do processo seletivo do curso de Teologia. No último vestibular, de dezembro, 30 candidatos se inscreveram e foram aprovados apenas 18. “A adequação da gestão da EST ao perfil de uma instituição de ensino superior em contexto de ampla concorrência foi demasiado lenta nos últimos anos”, apontam Oneide Bobsin e Márcia Paixão.

Ainda assim, a análise dos reitores assinala que a difícil situação financeira é mais conseqüência do que causa, resultado de uma conjugação de fatores, mais externos do que internos. De acordo com a direção, “cada vez mais somos uma instituição comunitária sustentada por estudantes que trabalham ao lado dos estudos e que dependem minimamente de suas famílias”.

O perfil sócio-econômico da maioria dos estudantes da EST é de classe média baixa. Jovens que pretendem ingressar no pastorado da IECLB são filhos e filhas de pessoas de pouca renda, procedentes do meio rural ou de pequenas cidades do interior. Sem o sistema de bolsas proporcionado pela igreja esses jovens não conseguiriam estudar.

Boa parte do estudantado da EST trabalha em tempo parcial. Por isso, a direção pretende ofertar os cursos de Enfermagem, Música e Musicoterapia no período noturno, como já acontece com os cursos técnicos da instituição.

Outro fator que concorre para a baixa procura de cursos ofertados pela EST é a constatação da diminuição do campo de trabalho na igreja para os diversos ministérios e a “sensível diminuição dos valores das bolsas de estudo”.

A reitoria fixou como meta para 2008 que os investimentos e as despesas da casa não ultrapassem as receitas. Daí a razão do corte de salários, que é uma das medidas tomadas pela direção. Na outra coluna, a das receitas, a EST encaminhou ao MEC pedido para aumentar as vagas de 95 para 400 nos cursos de integralização de currículo para pastores, da IECLB e de outras igrejas, formados antes do reconhecimento do bacharelado de Teologia pelas autoridades federais.

A EST promoveu mudanças na área do marketing, reposicionando a instituição no mercado educacional nacional e regional, ofertando mestrados profissionalizantes em módulos nos períodos de férias. Também pretende aumentar o leque de ofertas de cursos de extensão. “Com os ajustes financeiros e o aumento de alunos em algumas áreas poderemos compensar a diminuição nas outras, como do bacharelado em Teologia, que forma obreiros e obreiras para a IECLB”, argumenta a direção.

A Graduação em Teologia conta com 160 alunos matriculados, outros 221 repartem-se nos cursos de Música, Enfermagem e no mestrado profissionalizante, mais 27 no mestrado e no doutorado. No ano passado, 1.298 pessoas fizeram algum curso de extensão ofertado pela EST.

Fonte: ALC