O “Governo legítimo” do ex-candidato presidencial mexicano Andrés Manuel López Obrador condenou os incidentes violentos de domingo na catedral da Cidade do México, promovidos por pessoas que participavam de um comício e que forçaram o fechamento do templo.

“A posição do movimento político liderado por López Obrador, como foi demonstrado nas condições mais adversas, é de defesa dos métodos pacíficos, nada que possa afetar a paz e os direitos de terceiros”, disse o secretário de Relações Políticas da Frente Ampla Progressista (FAP), José Agustín Ortiz ++Pinchetti++.

“O movimento respeita todas as liberdades e, é claro, a liberdade religiosa. Participam da frente católicos, protestantes, livres pensadores e membros de todas as religiões. O respeito à liberdade religiosa é e continuará sendo absoluto”, acrescenta a declaração.

“Não estamos de acordo com o que ocorreu ontem na catedral”, afirmou a encarregada de Patrimônio Nacional da FAP, Claudia Sheinbaum, em entrevista coletiva.

O Arcebispado do México decidiu que a catedral vai ficar fechada por tempo indefinido, até que se garanta a segurança dos fiéis e religiosos.

Sheinbaum considerou, porém, uma “provocação” o toque dos sinos da igreja “durante 12 minutos no momento do comício” de simpatizantes de López Obrador. Ela lembrou que “normalmente isso não ocorre aos domingos”.

O porta-voz do Arcebispado, Hugo Valdemar, considerou a invasão um “ato de brutalidade e de violência”. Ele criticou a Polícia por não fazer nada para deter os invasores.

O Chefe de Governo do Distrito Federal, Marcelo Ebrard, prometeu reforçar a segurança na catedral com um dispositivo especial nos próximos dias.

O Partido da Revolução Democrática (PRD), de López Obrador, afirmou que não tem nada a ver com o incidente.

Fonte: EFE