Crianças cristãs são obrigadas a seguirem outras religiões nas escolas
Crianças cristãs são obrigadas a seguirem outras religiões nas escolas

Um novo relatório do grupo de vigilância Christian Solidarity Worldwide (CSW) expôs as atrocidades enfrentadas por crianças cristãs em escolas de vários países, desde conversão forçada em outras religiões a até mesmo serem espancadas e humilhadas pelos professores por se atreverem a falar.

A CSW explicou no documento intitulado “Faith and a Future” (A fé e o futuro, em tradução livre) compartilhado com o site de notícias The Christian Post na última quinta-feira (31) que realizou pesquisas em cinco países, como Mianmar, Irã, México, Nigéria e Paquistão.

Segundo o relatório, estudantes cristãos enfrentam ódio religioso, incluindo abuso psicológico e físico de outros alunos e professores. “O impacto psicológico do abuso recebido pelas crianças na escola não pode ser exagerado. Muitos entrevistados disseram à CSW que sofreram com a discriminação religiosa e a intolerância em ambientes educacionais”, diz o texto oficial.

“Rejeitados por seus colegas e professores, esse sofrimento pode ter consequências duradouras”, ressalta o documento. A CSW apontou que em Mianmar, onde o nacionalismo budista tem como alvo as minorias cristãs e islâmicas, as crianças são “convertidas à força” nas escolas.

“Isto é particularmente prevalecente nos estados de Chin, Naga e Kachin, onde as famílias pobres são frequentemente oferecidas a oportunidade de mandar seus filhos embora para uma ‘educação gratuita’. As crianças são levadas para um monastério budista ou escola monástica (escola Na Ta La) sem a permissão de seus pais, e forçadas a participar regularmente da adoração budista ou até se tornarem monges novatos”, continua o relatório.

Intolerância

As crianças cristãs são “sistematicamente impedidas de praticar a religião em que foram criadas e são efetivamente obrigadas a se converter ao budismo”, complementa. Enquanto a Nigéria está amplamente dividida entre suas populações cristã e muçulmana, os seguidores de Cristo em áreas sob a lei islâmica estão vendo seus filhos raptados, convertidos à força e forçados a casamentos islâmicos.

“Os pais que buscam a libertação de suas filhas sequestradas são geralmente informados de que se converteram e se casaram, ou estão sob a custódia de governantes muçulmanos tradicionais ou comissões da sharia e não têm desejo de voltar para casa”, explica o relatório.

“Os apelos às agências policiais por assistência geralmente se mostram infrutíferos em meio a falsas alegações de que os sequestradores não são menores e temem, por parte da polícia, provocar agitação social em larga escala”, ressalta.

A CSW compartilhou um estudo de caso específico em 2010 na Unity School em Kachako, onde estudantes cristãos foram interrogados e abusados ​​de várias maneiras diferentes após serem falsamente acusados ​​de insultar o profeta islâmico Maomé. Os alunos aparentemente foram instruídos pelos professores a usar o corredor como um banheiro, em vez de serem autorizados a ir ao banheiro.

Quando uma garota, chamada Grace, reclamou e disse que estava “cansada desse lixo”, uma professora a denunciou ao diretor. “Grace foi tirada do quarto, espancada com um chicote feito de pele de animal, e seu cabelo foi raspado. Os outros foram chamados para ver o que havia acontecido com ela, e disseram: Você ouviu o que Grace disse? Ela vai descobrir o que lixo realmente significa na segunda-feira, quando os resultados da investigação aparecerem. Qualquer um que insulte a Deus, suas gargantas serão cortadas ou elas serão queimadas até a morte, ou serão expulsas da escola”, descreveu o relatório.

Fonte: Guia-me