Jovens cristãos orando
Jovens cristãos orando

De acordo com um estudo realizado pela Universidade do Estado do Ohio, quem tem ligação à religião vive em média mais quatro anos do que nem não segue, pratica ou acredita em nenhum Deus.

Os pesquisadores de psicologia do estado de Ohio por trás do estudo insistem que há mérito na conexão: pessoas com afiliações religiosas muitas vezes se voluntariam e se engajam em atividades sociais ao longo de suas vidas – algo rotineiramente ligado a uma vida mais longa.

Mas eles descobriram que essa socialização só pareceu aumentar a longevidade em um ano, no máximo – sugerindo que outros elementos da vida religiosa, como a baixa ingestão de álcool, poderiam contribuir.

“Ainda há muitos outros benefícios da afiliação religiosa que se não pode explicar”, disse a principal autora do estudo, Laura Wallace, uma estudante de doutorado em psicologia na Ohio State University.

O Dr. Baldwin Way, professor associado de psicologia no Estado de Ohio e co-autor do estudo, concordou. 

Ele disse que, embora as descobertas não agradem aos ateus, havia uma correlação que eles não poderiam ignorar.

“O estudo fornece evidências persuasivas de que existe uma relação entre a participação religiosa e o tempo de vida de uma pessoa”, disse ele.

O dr. Way supõe que essa correlação possa depender de como a comunidade é religiosa.

A primeira parte deste estudo envolveu 505 obituários publicados no Registro de Des Moines, em Iowa, em janeiro e fevereiro de 2012.

Lá, a lacuna de tempo de vida foi ainda maior: pessoas religiosas viveram 9,45 anos mais do que seus pares ateus – mas isso encolheu para 6,48 anos quando levaram em conta o sexo e o estado civil.

O segundo estudo incluiu 1.096 obituários de 42 grandes cidades dos EUA publicados em sites de jornais entre agosto de 2010 e agosto de 2011.

Neste estudo, as pessoas cujos óbitos mencionaram uma afiliação religiosa viveram em média 5,64 anos mais do que aquelas que não obtiveram, o que encolheu para 3,82 anos após o sexo e o estado civil serem considerados.

Muitos estudos mostraram que pessoas que se voluntariam e participam de grupos sociais tendem a viver mais que outras.

Dr Way disse que o motivo de sua longevidade pode estar relacionado às regras e normas de muitas religiões que restringem práticas pouco saudáveis, como o uso de álcool e drogas e a relação sexual com muitos parceiros.

Ele disse que muitas religiões também “promovem práticas de redução do estresse que podem melhorar a saúde, como gratidão, oração ou meditação”.

Para Laura Wallace, as descobertas forneceram apoio adicional ao crescente número de estudos mostrando que a religião tem um efeito positivo na saúde.

Fonte: Daily Mail