A mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel, disse, durante uma homenagem feita por amigos na noite dessa segunda-feira no velório da jovem, que perdoa Lindemberg e que o Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) não teve culpa do desfecho trágico. Ana também agradeceu o apoio e disse estar feliz porque sua filha ajudou outras pessoas doando os órgãos.

“Eu consigo perdoar o Lindemberg, eu consigo perdoar ele, de todo o meu coração, mas que a justiça seja feita”, disse a mãe. Em seguida, agradeceu o apoio. “Quero agradecer à população, que está prestando esta homenagem a Eloá e pela solidariedade. E agradecer aos jornalistas também que deram a notícia para o mundo inteiro. Se não fosse assim, ninguém ficaria sabendo. Se esqueci de alguém, me desculpe, meu agradecimento é para todo mundo”.

Ana Cristina, que é evangélica, disse que está feliz e que sabe que Eloá está bem. “Eu sei que ela tá com Deus e eu tô feliz. Talvez Deus tenha feito isso para dar a vida a sete pessoas”.

Sobre a ação do Gate, Ana disse que “eles não tem culpa de nada. Porque eles lutaram como eu lutei, choraram comigo como eu chorei”.

O velório de Elóa ocorre no Cemitério Jardim Santo André, em Santo André, no ABC. A Guarda Civil de Santo André informou que, até as 21h30, cerca de 11,8 mil pessoas passaram pelo local. Em média, 2,4 mil pessoas por hora passam pelo velório de Eloá. Milhares de curiosos fazem fila para ver o corpo da jovem. De acordo com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), 13 pessoas passaram mal durante a cerimônia e duas tiveram que ser removidas.

Seqüestro

Lindemberg Alves, 22 anos, invadiu o apartamento da família da ex-namorada Eloá Cristina Pimentel, 15 anos, na tarde de segunda-feira da semana passada. Armado com um revólver, o jovem fez reféns, além da ex-namorada, uma amiga dela, Nayara, 15 anos, e dois colegas de escola, que estavam no local para fazer um trabalho para a aula. A ação foi motivada pela recusa de Eloá em reatar o namoro.

O seqüestrador libertou os dois adolescentes no mesmo dia. Nayara foi libertada no dia seguinte, após passar 33 horas no apartamento. Já na quinta-feira, Nayara voltou ao cativeiro. Segundo a polícia, a jovem foi chamada para ajudar nas negociações e decidiu entrar no apartamento por conta própria.

A polícia invadiu o apartamento por volta das 18h10 de sexta-feira, depois de mais de 100 horas de cativeiro. Eloá foi baleada na virilha e na cabeça, e Nayara, na boca. Segundo a Polícia Militar, os tiros partiram da arma de Lindemberg. Na ação, o jovem foi detido e Eloá e Nayara levadas para o hospital.

Médicos anunciaram a morte cerebral de Eloá às 23h30 deste sábado. Os órgãos foram liberados para doação pela família. Nayara passa bem e deve receber alta nos próximos dias.

Lindemberg, que está preso no Centro de Detenção Provisória de Pinheiros (CDP), na zona oeste de São Paulo, responderá por homicídio e dupla tentativa de homicídio, segundo a polícia.

Fonte: Terra