O Conselho da Europa lançou uma campanha para acabar com as palmadas, esquentando um debate que divide a opinião pública europeia sobre como disciplinar crianças sem afetar seu desenvolvimento psicológico e físico. Franceses e ingleses resistem em banir o tapa no bumbum.

A mais proeminente entidade de monitoramento dos direitos humanos do continente quer que os países proíbam na lei qualquer tipo de castigo corporal, inclusive as palmadas no bumbum. Até agora já obteve garantias de 20 governos e promessas de outros oito de que assinarão o compromisso.

Para os defensores da medida, qualquer tipo de punição que envolva violência física degrada a dignidade da criança e viola seu direito à integridade -garantidos na Convenção dos Direitos Humanos da ONU.

“Punições corporais mandam a mensagem errada de que você pode usar violência para obter o que quer”, disse à Folha por telefone Elda Moreno, do Conselho. “E fica mais difícil impedir outros tipos de violência. Onde estará o limite?”

Moreno é assessora especial para o tema da vice-secretária-geral do Conselho da Europa, Maud de Boer Buquicchio, que lançou oficialmente a campanha na última terça-feira em um debate em Estrasburgo.

No evento, foi apresentada uma petição com assinaturas dos jogadores do Real Madrid, do ex-presidente soviético Mikhail Gorbatchov, da rainha Sílvia da Suécia e da atriz italiana Claudia Cardinale.

Apesar do apoio pomposo, no entanto, a proibição ainda encontra resistência da população. Segundo Moreno, mãe de duas crianças, este é o maior freio à adesão dos governos que ainda hesitam, como o britânico e o francês.

Ela lembra ainda que na Suécia, país pioneiro em proibir por lei as palmadas, em 1980, foi necessária toda uma geração para mudar a mentalidade. “Uma pessoa confrontada com essa questão primeiro tem de questionar a forma como foi criada e depois examinar seu próprio comportamento como pai ou mãe”, afirma. “Do ponto de vista psicológico, é muito difícil lidar com essas questões.”

A imprensa europeia agora desperta para o tema. “A campanha está ganhando impulso”, diz Moreno. No fim de semana, jornais franceses antes irônicos destacaram a questão. No Reino Unido, a cobrança em cima do governo cresce. Até recentemente, os britânicos permitiam castigo físico na escola.

Um estudo assinado pela pesquisadora de saúde comunitária Catherine Taylor, da Universidade Tulane (EUA), mostra que crianças que levam palmadas frequentes por volta dos três anos se tornam mais agressivas aos cinco. Para a pesquisa, que será publicada na revista “Pediatrics”, foram ouvidas 2.500 mães e listados fatores de risco na maternidade.

Quase metade delas (46%) afirmou que não havia batido em seus filhos nenhuma vez no mês anterior, e 28% o haviam feito uma ou duas vezes. Outras 27% bateram mais e eram as que reuniam mais fatores de risco, segundo o estudo.

Em outra fase, as crianças que apanham mais manifestaram mais sinais de agressividade, como crueldade, bullying, brigar e fazer ameaças.

Para Miriam Debieux Rosa, professora de psicologia da USP, a força física não é um bom método de educação, mas há ocasiões em que a situação escapa ao controle. “Pais que nunca se descontrolam são perfeitos, o que não existe”, diz.

Ela afirma que educar pela palmada é autoritário e pode gerar pessoas medrosas e submissas ou que reproduzam esse padrão de se impor pela força. “Mas transformar em lei um excesso eventual é exagero e pode criminalizar formações culturais diferentes.”

O fim do ‘corretivo’

ARGUMENTOS PARA PROIBIR

>>Palmadas violam os direitos da criança à integridade física e à dignidade. Se não é legal dar um tapinha em um adulto, então em uma criança também não é

>>A prática de bater pode deixar sequelas graves: estudo americano com 2.500 mães mostra que crianças educadas com palmadas tendem a se tornar mais agressivas do que as que não foram

>>As crianças entendem que a violência é uma forma aceitável de resolver um conflito

>>Há dúvidas sobre a eficácia da palmada para disciplinar crianças

ARGUMENTOS CONTRA A LEI

>>Os governos não devem se meter na maneira como os pais educam os filhos

>>A atual legislação já é suficiente para punir pais que espancam os filhos

>>A melhor forma de evitar castigos físicos seria com campanhas educativas, não por meio de lei

>>A geração que tem filhos agora e as anteriores foram,na maioria, criadas sob a premissa de que uma palmada eventual é aceitável em casos de excessos dos filhos. A questão é como impor os limites

Fonte: Folha de São Paulo