Um evangélico foi preso por três dias em Chiapas, no México, por se recusar a negar sua fé e contribuir para festivais católicos, de acordo com a Coordenação de Organizações Cristãs.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/media.guiame.com.br/archives/2016/03/30/3520425296-igreja-mexico.jpg[/img]Juan Gabriel Lopez Perez, de 28 anos, foi preso na noite de 7 de janeiro pelas autoridades locais, que praticam uma tradição que mistura o catolicismo e rituais pagãos indígenas. Segundo a organização, o homem não seria liberado a menos que vendesse sua casa e deixasse a região dentro de 20 dias.

O evangélico ficou doente depois de dois dias preso e, após 72 horas, foi temporariamente libertado para obter cuidados médicos. No entanto, sua esposa, Eduvina Lopez Santiz, foi obrigada a cumprir o tempo de prisão em seu lugar, denuncia a organização.

Autoridades do município de Las Margaritas deram à Juan a opção de pagar uma multa de 5 mil pesos (equivalente a R$ 750) ou passar por 72 horas na cadeia. Depois de se recusar a pagar a multa, ele foi enviado à prisão por se recusar a assinar um documento onde negaria sua fé evangélica e concordaria em contribuir para os festivais católicos tradicionalistas.

Depois de retornar de sua visita médica, Juan foi enviado para uma parte mais isolada do complexo carcerário. Sua esposa decidiu ficar com ele, mesmo tendo a oportunidade de voltar para casa.

Segundo a Coordenação de Organizações Cristãs, o governador de Chiapas, Manuel Velasco Coello, foi informado sobre a perseguição aos evangélicos em dezembro de 2016. “A falta de atenção do subsecretário de Assuntos Religiosos e das autoridades locais para resolver este problema, resultaram na privação ilegal das pessoas designadas”, afirmou a organização.

O México é considerado o 41º que mais persegue cristãos, segundo a lista de perseguição religiosa publicada pela organização Portas Abertas.

[b]Fonte: Guia-me[/b]