Pichações feitas por evangélicos nas ruas do Rio de Janeiro
Pichações feitas por evangélicos nas ruas do Rio de Janeiro

Uma iniciativa controversa de fiéis de uma denominação evangélica no Rio de Janeiro tem misturado uma tentativa de adivinhar a data da volta de Jesus com vandalismo: muros, calçadas e pontos de ônibus têm sido pichados com a mensagem “Bíblia sim, Constituição não. Jesus voltará em 2070”.

Aproximadamente 200 fiéis da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo têm se empenhado no “comunicado” da volta de Jesus daqui a pouco mais de 50 anos. As pichações, feitas com moldes e spray, já consumiram mais de dois mil tubos de tinta nas cores amarela, vermelha e preta.

As pichações vêm sendo feitas nas zonas norte, sul e oeste da capital, em áreas como o calçadão do Largo da Carioca, saída do metrô Uruguai, passarela do Maracanã, Museu da República, Catete, e outros pontos, assim como nas regiões Serrana e dos Lagos.

“Péssimo exemplo. Quem segue Deus não precisa sujar vias públicas”, criticou auxiliar de escritório Jefferson Cabral, ouvido pela reportagem do jornal Extra.

A Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo já havia atraído holofotes da mídia em agosto do ano passado, quando os fiéis organizaram uma passeata em protesto aos muçulmanos, referindo-se a eles como “assassinos”, “pedófilos” e “terroristas”. Na ocasião, formadores de opinião acusaram o líder da denominação, pastor Tupirani da Hora Lores, de promover intolerância religiosa, e ele terminou preso.

A sede da denominação fica no Morro do Pinto, em Santo Cristo, e exibe uma placa “Templo pós-prisão”, com duas mãos algemadas em prece. Essa mensagem é uma referência ao período de 18 dias que Hora Lores passou preso em 2009, acusado, também, de intolerância religiosa, por ter publicado vídeos com críticas a outras religiões.

Justiça

Condenado a pagar dez salários mínimos a uma instituição de caridade e a prestar serviços comunitários, o pastor continua enfrentando problemas legais, e recentemente o STF negou um pedido de trancamento da ação penal feito por sua defesa.

Sobre as pichações, que são feitas na madrugada, o pastor garante que “ninguém quer se esconder”: “Não estamos escondendo nada. Se apagarem, picharemos de novo. Se nos prenderem, quem tiver solto vai continuar”, avisou.

A empresa de limpeza urbana do Rio de Janeiro, Comlurb, prometeu remover as pichações e multar os pichadores que forem flagrados durante as blitzes de fiscalização em R$ 205,00.

Fonte: Gospel Geral