Líderes de organismos evangélicos pretendem acompanhar o presidente eleito da Nicarágua, Daniel Ortega, e cobrar dele as promessas de campanha, entre elas a criação de um ministério ou secretaria para assuntos religiosos.

A estratégia foi definida em reunião da qual participaram representantes da Aliança Evangélica, do Conselho Nacional de Pastores Evangélicos, do Conselho Intereclesial de Estudos Teológicos e Sociais, da Universidade Evangélica, do Instituto de Estudos de Evangelismo a Fundo. Não participou do encontro o Conselho de Igrejas Evangélicas Pró Aliança Denominacional.

Os evangélicos têm até nomes para indicar ao novo órgão governamental, se for criado. Trata-se de Elizabeth Rojas, da Igreja Assembléia de Deus, e do pastor Neftali Cortes, da Igreja de Cristo. Eles também apontarão o pastor Benjamin Cortes para assumir algum ministério.

Durante a campanha, setor da igreja evangélica assinou carta de intenção com o então candidato Daniel Ortega na qual solicitou a reforma da lei de delito ambiental, que penaliza igrejas que produzem ruído nas campanhas e cultos.

O representante da Aliança Evangélica, David Alvarez, disse que esse bloco de evangélicos pretende manter diálogo permanente com as novas autoridades sandinistas que vão assumir o poder no dia 10 de janeiro. Um segundo encontro de evangélicos foi anunciado, quando querem ampliar a participação de organismos nas discussões e continuar analisando as propostas do novo governo.

Fonte: ALC