O ministro Joelson Dias, do TSE, condenou o presidenciável tucano José Serra a pagar multa de R$ 5 mil por fazer campanha ilegal num evento religioso.

Junto com Serra, foram aplicadas, neste sábado (24), multas de mesmo valor aos pastores Cesino Bernardino, Reuel Bernardino e José Lima Damasceno.

A transgreessão aconteceu em 1º de maio, num encontro evangélico realizado em Camboriu (SC): o 28º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários.

Em representação ao TSE, o Ministério Público acusou Serra e os pastores de realizar campanha eleitoral antes de 6 de julho, prazo fixado em lei.

Num discurso proferido no encontro, Serra jactou-se de suas realizações no Ministério da Saúde de FHC e no governo de São Paulo.

Até aí, nada a opor. Mas o ministro Joelson entendeu que Serra levou ao microfone expressões que evocam o seu lema de campanha: “O Brasil pode mais”.

O candidato disse coisas como “nós vamos fazer mais” e “podemos fazer mais e melhor”. Na voz dos pastores, a campanha ganhou timbre ainda mais desabrido.

Associaram o nome de Serra à Presidência, o cargo em disputa. Declararam apoio ao tucano. Puxaram uma oração pelo êxito de Serra.

O ministro anotou que um deles, Reuel Bernardino, chegou mesmo a convocar os presentes a orar “pelo candidato que, espero, seja eleito”.

É a terceira multa que o TSE impõe a Serra. A rival Dilma Rousseff já amargou seis. Lula também foi multado meia dúzia de vezes.

Curiosamente, o encontro que resultou em nova multa para Serra fora organizado pela Assembléia de Deus. A mesma igreja que, neste sábado, entregou um pedaço de seu apoio a Dilma Rousseff.

Igualados no desrespeito à lei eleitoral que seus partidos ajudaram a aprovar no Congresso, Serra e Dilma já podem fundar uma dupla caipira: Suja e Mal lavado.

[b]Fonte: Blog do Josias[/b]