O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quinta-feira, dia 11, que a Igreja Católica é uma aliada da oligarquia para dominar o povo.

Morales disse que lamenta fazer essa crítica aos membros da Igreja, porém _ sublinhou _ “nos últimos anos, o clero e a oligarquia se juntaram, para dominar e desconhecer o poder do povo”. O chefe do Estado boliviano também insinuou que, no passado colonial, a Igreja foi aliada dos espanhóis contra o povo indígena.

A acusação de Morales foi feita durante um discurso proferido num encontro de indígenas de vários países, realizado nas ruínas da antiga cidade de Tiahuanaco. Ele estava acompanhado da prêmio Nobel da Paz, a guatemalteca Rigoberta Menchú. “O povo não era soberano e, agora, queremos que, mediante uma nova constituição política do Estado, o poder seja do povo” _ acrescentou o presidente.

As críticas do presidente respondem à afirmação feita na quarta-feira, dia 10, pelo secretário-geral da Conferência Episcopal da Bolívia, Jesús Juárez Párraga, bispo de El Alto, de que o governo não deve seguir o modelo venezuelano.

“Se imitarmos uma democracia “a la venezuelana”, creio que vamos pelo mau caminho e nos encontraremos diante de um muro que, talvez, traga mais confronto que progressos” _ disse Dom Juárez Párraga aos jornalistas, nas celebrações pelos 25 anos de democracia ininterrupta no país.

“A Bolívia tem que buscar seus próprios caminhos de soberania, unidade e democracia” _ concluiu o prelado.

Fonte: Rádio Vaticano